Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Biden vê ‘enorme progresso’ em um ano de governo e faz alerta à Rússia

Líder democrata participou de rara entrevista coletiva na Casa Branca nesta quarta (19)

Por Ernesto Neves Atualizado em 19 jan 2022, 19h23 - Publicado em 19 jan 2022, 18h01

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, participou de uma entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira (19), na Casa Branca, véspera do aniversário de um ano de mandato.

“Foi um ano de desafios, mas também de enorme progresso”, afirmou o líder democrata ao começar o encontro.

Biden elogiou o avanço nas taxas de vacinação contra o coronavírus e a redução no desemprego nos últimos 12 meses.

Biden reconheceu, porém, que boa parcela dos americanos segue descontente com os rumos do país. 

“Apesar de todo esse progresso, sei que há muita frustração e fadiga neste país. E sabemos o porquê: Covid-19”, disse Biden.

O presidente disse que entende que os americanos estão cansados ​​após quase dois ano de enfrentamento à pandemia.

Mas enfatizou que os Estados Unidos agora têm ferramentas para salvar vidas e manter a economia funcionando, com vacinas, testes e máscaras.

Já sobre as críticas de que a Casa Branca deveria ter disponibilizado mais testes de coronavírus, o líder fez um mea culpa.

Continua após a publicidade

“Deveríamos ter feito mais testes antes? Sim. Mas estamos fazendo mais agora.”

O encontro acontece num momento em que o governo é alvo de críticas por não conseguir aprovar leis que facilitem o acesso ao voto para mais americanos.

Outro ponto sensível é a falta de aprovação do pacote de infraestrutura Build Back Better – Reconstruir Melhor – que está emperrado no Congresso.

Joe Biden também foi questionado se acredita que a ameaça de sanções contra a Rússia serão suficientes para impedir que Vladimir Putin realize uma invasão à Ucrânia.

Essas retaliações, lembraram os repórteres, se mostraram ineficazes com o presidente russo no passado.

“Ele nunca experimentou sanções como as que colocarei em vigor se ele de fato agredir a Ucrânica, respondeu o presidente americano.

Biden observou que teve “discussões francas” com Putin nas últimas semanas, à medida que se intensificaram os rumores de uma potencial invasão militar.

“Se Putin avançar com uma ação em grande escala, será um desastre para a economia russa”, afirmou.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês