Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Netanyahu toma vacina contra Covid-19 e inicia a campanha em Israel

Aliado político de Bolsonaro, foi o primeiro cidadão israelense a receber o imunizante; 'Pedi para ser vacinado primeiro para dar exemplo'

Por Larissa Quintino Atualizado em 19 dez 2020, 16h37 - Publicado em 19 dez 2020, 16h30

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu foi o primeiro chefe de estado a ser vacinado contra a Covid-19. Neste sábado, ele recebeu a primeira dose do imunizante e deu início à campanha de vacinação no país. Israel vai utilizar doses produzidas pela Pfizer, em parceria com o laboratório alemão BioNTech.

Uma pequena dose por pessoa, um grande passo para a saúde de todos nós”, disse Netanyahu.  em seu Twitter ao postar uma foto sendo imunizado. Segundo ele, a vacinação é importante para que as famílias voltem a se reunir com segurança e que a economia local possa reabrir os negócios. O país pretende vacinar 2 milhões de pessoas até o fim de janeiro, com a aplicação de 60 mil doses por dia. Mais de 370.000 pessoas testaram positivo para o coronavírus em Israel desde que houve o primeiro caso da doença em fevereiro e 3 mil pessoas morreram em decorrência da doença. 

Netanyahu tem 71 anos e  foi vacinado no Hospital Sheba, localizado em Ramat Gan, perto de Tel Aviv. Ao ser o primeiro a tomar a vacina, o primeiro-ministro tenta sinalizar a segurança do imunizante, já que poucos israelenses se mostram favoráveis à imunização. Uma pesquisa realizada pela Universidade de Haifa revelou que menos de um quinto da população — 20,3% dos judeus e 16% dos árabes — se mostram dispostos a tomar a vacina logo no início. “Pedi para ser vacinado primeiro, junto do ministro da Saúde, Yuli Edelstein, para dar o exemplo e os encorajar a serem vacinados”, disse Netanyahu.

 

Para estimular a imunização em massa, o país estuda implantar um “passaporte verde”, que sinaliza quem está imunizado ou não contra a Covid. A ideia é que, com esse documento, as pessoas que foram vacinadas possam frequentar eventos e centros comerciais. Um passaporte para imunização foi citado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, como uma das soluções para uma ampla vacinação facultativa. O Brasil ainda não tem previsão de início de campanha de vacinação.

Netanyahu é um dos aliados internacionais do presidente Jair Bolsonaro. O chefe do executivo brasileiro disse que não irá tomar a vacina. Segundo ele, para a vacinação, será necessário que as pessoas assinem um termo de responsabilidade. Nos Estados Unidos, o atual vice-presidente, Mike Pence, foi vacinado ao vivo na sexta-feira, enquanto que o presidente eleito, Joe Biden, receberá a dose na segunda-feira.

(Com AFP)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)