Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Barbados avança para que rainha Elizabeth deixe de ser sua chefe de Estado

Decisão tem objetivo de deixar para trás vestígio de passado colonial; Monarca britânica é governante do Reino Unido e outros 15 países

Por Da Redação 16 set 2020, 15h19

O governo de Barbados anunciou nesta quarta-feira, 16, sua intenção de que a rainha Elizabeth II deixa de ser sua chefe de Estado a partir de novembro do ano que vem, em uma decisão que pretende deixar para trás qualquer vestígio de seu passado colonial. 

Falando em nome da primeira ministra, Mia Mottley, a governadora-geral da ilha caribenha, Sandra Mason, anunciou a decisão durante o discurso conhecido como Discurso do Trono.

Mais de meio século após se tornar independente do Reino Unido, “os habitantes de Barbados querem um chefe de Estado de Barbados”, disse Mason. “Esta é a declaração máxima de confiança em quem somos e no que somos capazes de conseguir”.

Segundo a governadora da pequena ilha centro-americana, “Barbados dará o próximo passo lógico à soberania total e se tornará uma república” quando celebrar os 55 anos de sua independência, em 30 de novembro de 2021. Além de chefe de Estado, a rainha também atua como monarca constitucional. 

Após a independência, em 1996, já houve outras tentativas de removê-la do cargo. Na década de 1970, uma comissão concluiu que havia pouco apoio público para fundar uma república e o projeto foi arquivado. Em 1998, uma comissão constitucional recomendou a ação, que não avançou. 

Continua após a publicidade

O país voltou a dar passos em 2003, quando substituiu um o comitê judiciário sediado em Londres para um conselho dentro da corte caribenha de justiça, em Trinidad e Tobago, como seu tribunal de apelações.

Questionado sobre esta decisão, um porta-voz do Palácio de Buckingham disse: “Este é um assunto do governo e do povo de Barbados”.

A rainha Elizabeth é chefe de Estado do Reino Unido e outros 15 países: Antígua e Barbuda, Austrália, Bahamas, Barbados, Belize, Canadá, Granada, Jamaica, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, São Cristóvão e Névis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Ilhas Salomão e Tuvalu. Todos estes territórios estiveram sob mandato do Reino Unido. 

Diversos países retiraram a rainha como chefe de Estado nos anos após conquistarem independência. As Ilhas Maurício foram o último território a fazê-lo, em 1992. Em 1999, a Austrália apresentou um referendo sobre a remoção da rainha, mas a proposta foi derrotada. 

Muitos habitantes de Barbados pediram no passado que a rainha Elizabeth fosse retirada do cargo de chefe de Estado devido a suas persistentes associações imperialistas, e vários dos líderes da ilha defendem torná-la uma república. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês