Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Australian Open proíbe bandeiras russas e bielorrussas no torneio de tênis

Os itens foram banidos nesta terça-feira, 17, após fãs ucranianos acionarem a polícia

Por Da Redação
17 jan 2023, 10h18

Um dos maiores torneios de tênis do mundo, o Australian Open proibiu nesta terça-feira, 17, a presença de bandeiras russas e bielorrussas das arquibancadas, após uma partida ser interrompida por causa da revolta do público.

Inicialmente, o público foi autorizado a trazer as bandeiras para o Melbourne Park com a condição de que não causassem “interrupções”. Mas o evento reverteu a decisão após espectadores exibirem uma bandeira russa durante a partida entre a ucraniana Kateryna Baindl e a russa Kamilla Rakhimova, na segunda-feira 16. Fãs ucranianos chamaram a polícia, alegando que os torcedores russos estavam “atacando” Baindl.

Em entrevista para o jornal local The Age, um dos homens russos envolvidos no incidente disse que o grupo estava apenas torcendo pela compatriota. “As pessoas podem ver isso como desagradável, mas estávamos apenas sendo seus apoiadores normais. Não houve ridicularização ou desrespeito”, comentou.

O embaixador da Ucrânia na Austrália e na Nova Zelândia já havia pedido ao Australian Open para agir contra símbolos russos.

Continua após a publicidade

A proibição entrou em vigor imediatamente e, em um comunicado, o Australian Open disse que continuará a trabalhar com os jogadores e fãs para garantir o melhor ambiente possível para desfrutar do tênis.

Os organizadores foram posteriormente multados e o torneio foi despojado de seus pontos de classificação pela Associação de Profissionais de Tênis e pela Associação de Tênis Feminino (WTA, na sigla em inglês). A WTA afirmou que oportunidades iguais para os jogadores competirem como indivíduos tinham que ser protegidas.

Enquanto jogadores da Rússia e Belarus competem sob uma bandeira branca neutra durante o torneio, eles foram proibidos de participar do Wimbledon em 2022. Outras modalidades também foram afetadas por medidas como essa, devido à invasão da Rússia à Ucrânia em fevereiro do ano passado.

Continua após a publicidade

O governo do estado de Victoria, na Austrália, afirmou nesta terça-feira que o evento tomou a decisão correta.

“A invasão da Rússia na Ucrânia é abominável”, disse a primeira-ministra de Victoria, Jancinta Allan. “Isso viola as obrigações internacionais de direitos humanos, e foi apoiada por Belarus.”

“[Isso] envia uma mensagem muito, muito clara de que os direitos humanos são importantes, seja no esporte ou mais amplamente em nossa comunidade”, completou.

Continua após a publicidade

No mesmo torneio, a tenista ucraniana Marta Kostyuk disse que não apertaria a mão de oponentes da Rússia e de Belarus, que ela acredita não terem sido vocais o suficiente em condenar a invasão.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.