Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Ataques aéreos em Kiev atingem memorial do Holocausto

Local atingido por ataque, que deixou ao menos cinco mortos, presta homenagem aos mais de 30 mil judeus exterminados por forças nazistas

Por Duda Gomes Atualizado em 1 mar 2022, 20h23 - Publicado em 1 mar 2022, 20h19

Ataques aéreos da Rússia contra cidade de Kiev nesta terça-feira, 1, atingiram o Memorial do Holocausto Babi Yar, afirmou o chefe do gabinete da Presidência ucraniana, Andriy Yermak. O local presta homenagem aos mais de 30 mil judeus exterminados na ocupação da região por forças nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

Os ataques também destruíram uma torre de TV e deixaram ao menos cinco mortos .

“Ao mundo: qual o sentido de dizer ‘nunca mais’ por 80 anos, se o mundo fica quieto quando uma bomba cai no sítio de Babi Yar? Ao menos cinco morreram, uma história que se repete”, disse o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, que é judeu.

Em seu discurso que autorizava o ataque a Ucrânia, o presidente russo, Vladimir Putin, justificou a ofensiva como uma possibilidade de “desnazificar” o país e seu povo.

“Putin procura distorcer e manipular o Holocausto para justificar que uma invasão ilegal de um país democrático soberano seja totalmente abominável. É simbólico que ele comece a atacar Kiev bombardeando Babi Yar”, afirmou o presidente do Conselho do memorial, Natan Sharansky.

Continua após a publicidade

Seguindo o tom empregado por Putin, o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, afirmou nesta terça-feira que a invasão invasão russa à Ucrânia trata-se de uma “operação especial” para “desmilitarizar e desnazificar” o país vizinho.

Durante o discurso, boicotado representantes de outros países que se levantaram em protesto, Lavrov acusou Kiev de violar as liberdades fundamentais da população russa no país durante oito anos.

“Os neonazistas tomaram o poder em 2014 e esta ocupação deve acabar. O silêncio do Ocidente mostra os padrões duplos dos Estados Unidos e seus aliados, que causaram milhares de vítimas na antiga Iugoslávia, Líbia e Afeganistão”, disse ele, acusando Kiev de impor um regime de terror que reprime o uso da língua russa em escolas ou locais de trabalho. 

Em nota, Israel condenou o ataque ao memorial, mas as declarações do governo não mencionaram a Rússia. Os países mantêm os canais de comunicação abertos e Israel também vê seus laços com a Rússia como facilitadores de suas ações militares na vizinha Síria, onde Moscou tem influência.

O Centro Mundial de Memória do Holocausto Yad Vashem de Israel expressou “condenação veemente” ao que descreveu como um “ataque russo mortal nas proximidades do memorial do Holocausto Babi Yar”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)