Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Na ONU, Rússia diz que objetivo de invasão é ‘desnazificar Ucrânia’

Discurso de chanceler russo, Sergei Lavrov, foi boicotado por mais de 100 diplomatas, que se levantaram e deixaram salão em protesto

Por Matheus Deccache Atualizado em 1 mar 2022, 15h29 - Publicado em 1 mar 2022, 15h22

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse ao Conselho de Segurança das Nações Unidas nesta terça-feira, 1, que a invasão russa à Ucrânia trata-se de uma “operação especial” para “desmilitarizar e desnazificar” o país vizinho.

Durante o discurso, boicotado representantes de outros países que se levantaram em protesto, Lavrov acusou Kiev de violar as liberdades fundamentais da população russa no país durante oito anos. Segundo ele, a ofensiva da Rússia é particularmente relevante neste momento, uma vez que a Ucrânia está sendo armada pela Otan e cada vez mais empurrada para a Aliança. 

“Os neonazistas tomaram o poder em 2014 e esta ocupação deve acabar. O silêncio do Ocidente mostra os padrões duplos dos Estados Unidos e seus aliados, que causaram milhares de vítimas na antiga Iugoslávia, Líbia e Afeganistão”, disse ele, acusando Kiev de impor um regime de terror que reprime o uso da língua russa em escolas ou locais de trabalho. 

O ministro utilizou também seu discurso para criticar as sanções ocidentais impostas a Moscou, afirmando que o Ocidente “claramente perdeu o controle”.

“Essas sanções transcenderam a esfera política e econômica e chegaram ao campo da cultura, esporte, turismo e educação, em um sinal claro de que o Ocidente perdeu o controle. Seu desejo é de impor ódio à Rússia”, completou. 

Continua após a publicidade

Lavrov viajaria a Genebra nesta terça-feira para participar do Conselho de Direitos Humanos e da Conferência sobre o Desarmamento, mas teve que participar por videoconferência devido às restrições impostas por grande parte da Europa a voos vindos da Rússia. 

Ao final de sua fala, o ministro defendeu ainda o respeito dos russos ao povo ucraniano, uma vez que partilham uma história em comum e laços espirituais e culturais. No entanto, acusou as autoridades atuais de tentar espalhar mentiras com o objetivo de romper esses laços. 

Líderes ocidentais boicotam o discurso

Mais de 100 diplomatas de 40 países deixaram a sala enquanto Lavrov discursava
Mais de 100 diplomatas de 40 países deixaram a sala enquanto Lavrov discursava Divulgação/AFP

Durante o discurso do ministro russo, mais de 100 diplomatas de 40 países ocidentais e aliados, como o Japão, deixaram a sala como uma forma de protesto. Encabeçado por membros das delegações da União Europeia, Estados Unidos e Reino Unido, o boicote fez com que apenas poucos países ficassem até o final. 

Entre os que ficaram estão a Síria, Venezuela, China e Brasil. A ministra das Relações Exteriores do Canadá, Melanie Joly, e o da Dinamarca, Jeppe Kofod, se reuniram com a embaixadora da Ucrânia na ONU, Yevheniia Filipenko, por trás de uma grande bandeira do país em demonstração de apoio. 

Segundo ela, a Rússia tem realizado uma série de ataques à infraestrutura civil que inclui maternidades e edifícios residenciais, ato negado veementemente pelo Kremlin. 

É esperado que ainda nesta terça o Canadá faça uma petição ao Tribunal de Haia contra as autoridades russas responsáveis pela guerra. A enviada dos Estados Unidos ao Conselho, Michele Taylor, corroborou a ação, dizendo que “o conflito terá profundas implicações nos Direitos Humanos dos países envolvidos e que os líderes russos devem ser responsabilizados.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)