Clique e assine a partir de 9,90/mês

Assessor de premiê chuta manifestante e provoca revolta

Caso ocorreu quando comitiva de Erdogan visitava local da tragédia em mina

Por Da Redação - 15 Maio 2014, 19h51

A imagem de um assessor próximo do premiê Recep Tayyip Erdogan chutando um manifestante que já havia sido imobilizado por policiais fez aumentar a revolta contra o governo da Turquia. As fotos e o vídeo da agressão foram amplamente divulgados nas redes sociais e alimentaram a ira dos que protestam contra a resposta do governo à tragédia que custou a vida de quase 300 trabalhadores de uma mina de carvão. O caso ocorreu na quarta-feira, durante a visita de Erdogan à cidade de Soma, local do desastre.

Na cidade, o primeiro-ministro teve uma dura recepção, tendo seu carro cercado por manifestantes aos gritos de “assassino” e “ladrão”. Em meio ao clima de tensão, o assessor identificado pela imprensa turca como Yusuf Yerkel aparece nas imagens chutando um manifestante e se afastando rapidamente do local. À agência turca Anadolu, o assessor limitou-se a dizer que ficou “triste” por ter perdido o controle. “Estou triste porque eu não mantive a calma diante da provocação, dos insultos e dos ataques que sofri naquele dia”, afirmou, em declaração reproduzida pela rede CNN.

Leia também:

Protestos contra tragédia em mina terminam em confrontos

Continua após a publicidade

Nesta quinta, foi a vez do presidente Abdullah Gul visitar o local do desastre e pedir “união para atravessar esses tempos difíceis”. Ele visitou mineiros feridos que estão recebendo tratamento hospitalar, mas não ficou livre de vaias e protestos, mais amenos em comparação à reação contra o premiê na véspera. Sindicatos organizaram um dia de paralisação e houve mais protestos em várias partes do país. As forças de segurança usaram gás lacrimogêneo e canhões d’água para conter cerca de 20.000 manifestantes em Ízmir, no sudoeste. Também houve manifestações em Istambul, Ancara e Zounguldak.

Mais de quarenta mineiros foram enterrados no principal cemitério de Soma nesta quinta-feira, em cerimônias acompanhadas por milhares de pessoas. Nenhuma autoridade do governo compareceu. Ainda há mais de cem trabalhadores desaparecidos.

A tragédia em Soma é a pior da história da Turquia e ocorreu em uma mina que, segundo o governo, passou por todas as inspeções de segurança realizadas recentemente. No entanto, uma proposta para investigar acidentes nas minas de Soma, apresentada pela oposição, foi barrada no mês passado por parlamentares do partido governista AKP.

https://youtube.com/watch?v=4Z-CSHbxv-M

Publicidade