Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Israel-Hamas: Assembleia Geral da ONU aprova trégua humanitária

Texto capitaneado pela Jordânia recebeu 120 votos, incluindo um do Brasil

Por Da Redação
Atualizado em 27 out 2023, 21h32 - Publicado em 27 out 2023, 17h00

A Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou nesta sexta-feira, 27, uma resolução que pede trégua humanitária imediata no conflito entre Israel e o grupo militante palestino Hamas.

O texto, capitaneado pela Jordânia, é apenas recomendatório, e não mandatório, o que significa que as partes envolvidas não são obrigadas a aplicar a resolução. O placar foi de 120 votos a favor, incluindo um voto do Brasil, catorze contra e 45 abstenções.

Depois de vários impasses no Conselho de Segurança da ONU, países que apoiam o fim da guerra no Oriente Médio convocaram a reunião de emergência da Assembleia Geral para tentar fechar um acordo de cessar-fogo. Enquanto no Conselho de Segurança países com assento permanente, como Estados Unidos ou Rússia, têm poder de vetar as resoluções, na Assembleia Geral basta o voto da maioria dos países para que um texto seja aprovado.

Em pronunciamento antes da votação desta sexta, o observador permanente da Palestina junto às Nações Unidas, Riyad Mansour, pediu o cessar-fogo imediato. Emocionado, ele falou dos mais de 7.000 palestinos mortos desde o dia 7 de outubro e questionou a diferença de tratamento dado às vítimas israelenses e às vítimas palestinas.

“Por que se sente tanta dor pela morte dos israelenses e tão pouca dor por nós, os palestinos? Qual é o problema? Nós temos a fé errada? A cor de pele errada? A nacionalidade errada? A origem errada? Como os representantes dos países podem explicar o quão horrível é a morte de 1.000 israelenses e não sentir o mesmo pela morte de 1.000 palestinos que estão morrendo agora, a cada dia?”

Continua após a publicidade

Já o representante de Israel, Gilad Erlan, chamou de absurda uma resolução pelo cessar-fogo e comparou o Hamas, responsável pelo ataque de 7 de outubro que resultou na morte de 1.400 israelenses, a um câncer.

“A missão de Israel é erradicar esse mal da Terra. Erradicar. Hamas não pode mais existir. Nosso objetivo é a completa erradicação do Hamas e suas capacidades. E vamos usar todo o tempo que tivermos para alcançar isso. Existe apenas uma solução para curar um câncer e é extirpando cada célula cancerosa.”

No X (antigo Twitter), o ministro das Relações Exteriores de Israel, Eli Cohen, afirmou que o país rejeita a resolução: “Nós rejeitamos o pedido desprezível da Assembleia Geral da ONU por um cessar-fogo. Israel pretende eliminar o Hamas da mesma maneira como o mundo lidou com os nazistas e o Estado Islâmico”.

No âmbito do Conselho de Segurança, a Rússia e a China usaram poder de veto na quarta-feira para derrubar uma proposta dos EUA sobre o conflito. Um outro texto, apresentado por Moscou, também não foi para frente, depois de não conseguir o número mínimo de votos necessário para aprovação.

Continua após a publicidade

Enquanto a proposta dos EUA é baseada em pausas no conflito para permitir a entrada de ajuda humanitária em Gaza, a Rússia quer um cessar-fogo humanitário. Para qualquer resolução ser aprovada, os projetos precisam de pelo menos nove votos e nenhum veto de Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia ou China.

Os Estados Unidos propuseram o seu próprio projeto de texto no último sábado, 20, que chocou alguns diplomatas com a sua franqueza ao afirmar que Israel tem o direito de se defender e exigir que o Irã deixe de exportar armas para grupos militantes. Desde então, a proposta foi abrandada, eliminando referências diretas a Teerã e ao direito de Israel à autodefesa.

Na semana passada, o Conselho de Segurança também rejeitou a proposta do Brasil para a guerra Israel-Hamas. A proposta brasileira recebeu doze votos a favor, um contra e duas abstenções. Como o voto contrário foi dos Estados Unidos, com direito a veto devido ao status de membro permanente do Conselho, o texto foi rejeitado.

A decisão do Conselho foi criticada pelo representante permanente do Brasil nas Nações Unidas, embaixador Sergio Danese, que condenou o que chamou de “paralisia” do Conselho de Segurança. “Mais uma vez, o Conselho de Segurança é marcado por inação”, afirmou ele.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.