Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Artigo: É preciso planejar a retomada

Na crise, deve-se adotar uma atitude pragmática. Agora mais do que nunca, não há vantagem em se prender a conceitos absolutos de liberalismo ou estatismo

Por Robson Braga de Andrade* Atualizado em 3 jul 2020, 12h09 - Publicado em 3 jul 2020, 06h00

Está mais do que na hora de setores públicos e privados se unirem para elaborar um planejamento estratégico, com vistas a viabilizar uma retomada gradual das atividades produtivas, a partir do momento em que as autoridades sanitárias considerarem mais adequado e seguro. As medidas que têm sido implementadas pelo governo — várias delas sugeridas pela Indústria —, vem ajudando as empresas a suportar o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19, incluindo a preservação de grande parte dos empregos. Entretanto, não podemos esperar de braços cruzados a hora da reativação da produção, sob pena de a volta às atividades ocorrer de maneira improvisada.

É necessário que seja elaborado, urgentemente, um plano consistente, que projete cenários e preveja a realização de ações efetivas no pós-pandemia. Como os recursos privados serão limitados, em razão da brusca interrupção de empreendimentos comerciais e industriais, o Estado terá papel fundamental para uma retomada sustentável na economia. Nesse sentido, é urgente facilitar o acesso ao crédito, pois os recursos liberados pelo governo não estão chegando no caixa das empresas. O governo precisa, ainda, sinalizar como pretende criar as condições necessárias para aumentar a produção industrial, que, de acordo com o IBGE, acumulou uma queda de 26% em março e abril. Recente pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) revelou que apenas 13% das empresas do setor não sentiram efeitos econômicos negativos da pandemia, enquanto 84% foram prejudicadas.

ASSINE VEJA

Governo Bolsonaro: Sinais de paz Leia nesta edição: a pacificação do Executivo nas relações com o Congresso e ao Supremo, os diferentes números da Covid-19 nos estados brasileiros e novas revelações sobre o caso Queiroz
Clique e Assine

Para fazer frente a esse desafio, consideramos que as iniciativas governamentais deverão priorizar o reaquecimento do setor de construção civil; a atração de investimentos em infraestrutura, em especial com concessões na área de transportes; a implementação do novo marco legal do saneamento básico, aprovado recentemente pelo Congresso Nacional; e a expansão do setor elétrico. A mobilização das cadeias produtivas desses e de outros setores, no cenário da severa recessão que se anuncia, será essen­cial para a sobrevivência das empresas e, por consequência, para a preservação de empregos.

“O governo deve agir de modo a melhorar as condições de financiamento emergencial para as empresas”

Em todas as épocas, sobretudo em períodos de crise, deve-se adotar uma atitude pragmática. Por isso, agora mais do que nunca, não há vantagem em se prender a conceitos absolutos de liberalismo ou estatismo. Sem a participação ativa do Estado, o Brasil e o mundo não conseguirão superar essa grave crise. Em grandes turbulências anteriores, instrumentos e recursos disponibilizados pelos governos foram imprescindíveis para que os países resgatassem o caminho da expansão. Foi assim na Grande Depressão de 1929, quando o governo do presidente americano Franklin Delano Roosevelt implementou o New Deal, ambicioso programa de medidas econômicas e sociais que viabilizou a recuperação da economia dos Estados Unidos e de outras nações afetadas.

Processo semelhante ocorreu durante o caos financeiro iniciado em 2008, que levou bancos centrais dos principais países a injetar trilhões de dólares na economia global para minimizar o tamanho da queda das atividades econômicas. Naquela ocasião, mesmo o governo americano, acostumado a práticas mais liberais, deixou de lado vários tabus econômicos. Com aporte de recursos públicos, salvou da falência diversas instituições financeiras, seguradoras, companhias aéreas e mesmo segmentos da indústria, como o automotivo.

No Brasil, para ajudar o país a enfrentar as consequências econômicas da atual pandemia, governo e Congresso já tomaram duas medidas relevantes. A primeira foi o auxílio de 600 reais mensais para trabalhadores informais ou que perderam o emprego — o que está permitindo que as famílias mais pobres se sustentem. A outra foi o programa que autoriza empresas a fechar acordo com empregados para reduzir a jornada de trabalho, com diminuição proporcional no salário. A iniciativa preserva empregos e dá um alívio temporário ao caixa das empresas.
No atual estágio, a indústria considera que, além da facilitação do acesso ao crédito, é necessário que o governo aja para melhorar as condições de financiamento emergencial para o capital de giro das empresas. Obrigadas a suspender suas atividades, em decorrência da pandemia e das restrições ao comércio, as indústrias tiveram uma queda drástica de receitas, que se mostram insuficientes para pagar despesas fixas, elevando a possibilidade de inadimplência. Essas medidas são essenciais para que os recursos cheguem a tempo de evitar a desestruturação maciça do setor produtivo nacional.

O planejamento estratégico para a superação da crise deve prever ainda a retomada da agenda de reformas estruturais, especialmente a tributária, interrompida devido à eclosão da pandemia. Outras prioridades são a reestruturação do setor elétrico, a atualização de normas para o licenciamento ambiental e o aumento de investimentos em tecnologia e inovação. O combate à insegurança jurídica também é crucial para a recuperação dos investimentos, em particular os estrangeiros; a formação de um ambiente mais propício para negócios; e o aumento da competitividade do país com relação a outras economias. Caso não tome essas providências, o Brasil poderá ficar a reboque na nova ordem mundial que, certamente, emergirá no pós-­pandemia.

* Robson Braga de Andrade, empresário, é presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI)

Publicado em VEJA de 8 de julho de 2020, edição nº 2694

  • Continua após a publicidade
    Publicidade