Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Aquecimento Global: 2020 bate recorde de temperatura

Apesar dos efeitos da pandemia e de 'La Niña', houve um aumento da temperatura média de 1,25 ºC em relação à era pré-industrial, o maior já registrado

Por Da Redação
Atualizado em 4 jun 2024, 14h32 - Publicado em 8 jan 2021, 18h44

O ano de 2020 foi o mais quente no mundo ao lado de 2016, informou nesta sexta-feira, 8, o serviço europeu Copernicus sobre mudanças climáticas. O dado fecha uma década de temperaturas recordes, que evidenciam o avanço do aquecimento global e a necessidade de reduzir os impactos do ser humano no planeta.

No ano passado, a temperatura média aumentou 1,25 ºC em relação à era pré-industrial, assim como em 2016. Contudo, “é preciso levar em conta que 2020 iguala o recorde de 2016, apesar de um resfriamento de La Niña”, disse o Copernicus. Há quatro anos, ocorreu um forte episódio do El Niño, fenômeno oceânico que provoca um aumento das temperaturas contribuindo para o aquecimento em até 0,2 ºC, segundo a NASA e a Organização Meteorológica Mundial.

“Está claro que sem os impactos do El Niño e La Niña sobre as temperaturas respectivas, 2020 teria sido o ano mais quente já registrado”, disse Zeke Hausfather, climatologista do Breakthrough Institute, à AFP.

O dado é condizente com os outros recordes de temperatura aferidos nos últimos anos. O período de 2015 a 2020 foi o mais quente desde o início da era industrial, enquanto a última década (de 2011 a 2020) também destacou-se como os dez anos mais quentes.

Continua após a publicidade

O diretor do Copernicus, Carlo Buontemmpo, diz que o aumento de temperatura de 2020 “não é surpreendente” e “nos lembra mais uma vez da urgência de reduzir as emissões” de gases do efeito estufa. Os efeitos do aquecimento já são visíveis em todo o planeta: degelo das calotas polares, verões excepcionais, dilúvios e temporadas recordes de furacões e incêndios.

Apesar de tudo isso, o pior ainda está por vir. O planeta ganhou ao menos 1,1 ºC em relação à era pré-industrial. O Acordo de Paris determina que o aumento máximo nas temperaturas seja de 2 ºC, mas os compromissos nacionais de redução das emissões estão longe de serem suficientes.

Mesmo a Europa, elogiada por suas iniciativas de “emissões líquidas zero” e carros elétricos, registrou o seu ano mais quente – mais de 2,2 ºC acima do período pré-industrial.

Continua após a publicidade

O Copernicus informou que a concentração de CO2 na atmosfera continuou aumentando em 2020, alcançando um “nível máximo sem precedentes” de 413 ppm (partes por milhão) em maio de 2020 – isso mesmo com a pandemia e a paralisação econômica mundial, que causaram queda recorde de 7% das emissões de carbono, segundo o Global Carbon Project.

“Enquanto as emissões mundiais líquidas não se reduzirem a zero, o CO2 continuará se acumulando na atmosfera e provocando uma nova mudança climática”, alertou Vincent-Henri Peuch, responsável do serviço de vigilância da atmosfera do Copernicus.

(Com AFP)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.