Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Apartamento particular de Maria Antonieta em Versalhes reabre ao público

Reabertura do luxuoso espaço é etapa final do projeto de reforma que comemora 400 anos de Versalhes

Por Da Redação
26 jun 2023, 17h52

O apartamento privado de Maria Antonieta, mulher do rei francês Luís XVI e decapitada durante a Revolução Francesa vai reabrir para o público nesta terça-feira, 26, depois de passar por uma grande reforma que durou cinco anos. O espaço, cujo acesso se dá por uma porta escondida dentro de um cômodo, é composto por diversos quartos, incluindo uma biblioteca e uma sala de bilhar, e é dividido em dois pisos, com vista para o pátio interior do castelo. 

Alguns historiadores afirmam que o apartamento foi o lugar em que a rainha impopular se escondeu pela primeira vez durante a marcha do povo, em 1789. A reabertura do discreto e luxuoso espaço onde a austríaca costumava a brincar com seus filhos e receber amigos é a etapa final do projeto de reforma que comemora 400 anos de Versalhes.

xxxx
Apartamento privado de Maria Antonieta no Palácio de Versalhes (Palácio de Versalhes/Reprodução)

Maria Antonieta tinha 14 anos quando chegou à França para se casar com seu futuro marido. Os quartos privados começaram a ser decorados e mobiliados por ela logo depois de se tornar rainha, em 1774. O projeto de decoração durou até 1788, um ano antes da Revolução Francesa. A austríaca era conhecida por ser extremamente exigente na restauração dos quartos e sua impaciência com a demora do trabalho teria provocado a ira do arquiteto-chefe do rei, Ange-Jaques Gabriel.  

+ O último prato de Maria Antonieta

Diversos historiadores e pesquisadores passaram cerca de uma década consultando registros e relatos da época para tentar descobrir como os quartos eram originalmente. O resultado de tanto estudo é um santuário interno repleto de ouro e sedas, um testemunho do gosto extravagante da rainha, onde ela costumava ficar com suas damas de companhia mais próximas e um seleto círculo de amigos.

Continua após a publicidade

“Foi necessária a perseverança dos curadores do Château de Versailles ao longo de muitos anos para restaurar esta imagem perfeita para nós e unir as ligações entre a vida pública e privada da rainha”, disse Catherine Pégard, presidente do complexo de Versalhes. 

De acordo com Pégard, as salas em que apenas amigos próximos e sua comitiva podiam entrar eram tão pequenas que cabiam no máximo 10 pessoas. Ela afirmou que os curadores extremamente atentos aos mínimos detalhes, conseguiram dar sentido a estas salas. 

“Eles oferecem aos visitantes uma nova visão da vida de Maria Antonieta, uma jornada que levanta mil questões sobre etiqueta e intimidade”, acrescentou. 

A diretora do palácio, Laurent Salomé, comentou que a reconstrução foi complicada pela falta de registros históricos, mas disse que o apartamento privado da rainha era um “espaço fascinante para os interessados ​​na última glória da monarquia”. 

“Esse mundo de refinamento praticamente desapareceu e deixou poucos vestígios nos arquivos, o que complicou o trabalho”, disse. 

Continua após a publicidade

Os curadores acreditam que dois dos quartos, sendo um deles o boudoir da rainha, foram decorados com revestimentos de parede toile de Jouy com estampas de abacaxis, uma fruta trazida para a Europa por Cristóvão Colombo em 1493, cuja sua raridade tornou a fruta em um símbolo de riqueza e poder. A curadora responsável pelos apartamentos de Maria Antonieta em Versalhes, Hèlène Delalex, afirmou que os quartos eram a “grande paixão” da rainha. 

“Ela demonstrou um gosto extraordinário, confiança e audácia. Apenas alguns meses depois de sua chegada a Versalhes, sem sequer pedir ao rei, ela ordenou que Gabriel realizasse grandes obras, que ele recusou e reclamou ao soberano. O tom foi definido. Mas essa paixão continuou inabalável e só a Revolução foi capaz de acabar com ela”.

Na madrugada de 6 de outubro de 1789, depois que uma multidão furiosa invadiu Versalhes, Luís XVI e Maria Antonieta deixaram o palácio real com seus filhos para nunca mais voltar. Em 1791, o casal tentou fugir da França, porém ambos foram capturados, presos e acusados de conspirar com potências estrangeiras para atrapalhar a Revolução. Em 1793, o rei foi enviado para a guilhotina. Nove meses depois foi a vez de  Maria Antonieta. 

A reabertura das salas privadas é um destaque do programa dos 400 anos de Versalhes. Atualmente, o palácio atrai quase 7 milhões de visitantes por ano, foi construído em 1623 e ampliado por Luís XIV alguns anos depois. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.