Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Agência da ONU envia alimentos para 1,5 milhão de sírios

Volume foi atingido no mês de setembro. PMA planeja manter fornecimento até junho de 2013, o que sinaliza a previsão de continuidade da guerra civil no país

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas enviou mantimentos para cerca de 1,5 milhão de sírios somente em setembro deste ano, uma quantidade recorde, depois das 850.000 pessoas atendidas em agosto. A agência afirmou que planeja manter o volume de alimentos fornecidos pelo menos até junho do ano que vem, sinalizando a previsão de que a guerra civil continuará no país.

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março de 2011 para protestar contra o regime de Bashar Assad.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança, que já mataram milhares de pessoas no país.
  3. • A ONU alerta que a situação humanitária é crítica e investiga denúncias de crimes contra a humanidade por parte do regime.

Leia mais no Tema ‘Guerra Civil na Síria’

Leia mais:

Assad decreta anistia geral, mas exclui rebeldes

Segundo ele, a meta de manter o auxílio a 1,5 milhão de sírios até junho será bancada por um novo apelo humanitário a ser lançado em janeiro. A população estimada da Síria ultrapassa os 22,5 milhões de habitantes. Contudo, muitos buscaram refúgio em outros países desde o início do conflito, em março do ano passado.

Saiba mais:

ONU: três milhões de sírios precisam de alimentos e ajuda

“No caso da Síria, o mercado parece estável por dentro. Você pode sair e ver óleo, vegetais, cebolas, tomates (nas prateleiras) – mas por quanto tempo, nós não temos uma noção verdadeira”, disse.

Leia também: Número de refugiados sírios ultrapassa projeção da ONU

Refugiados – A agência também está distribuindo suprimentos para cerca de 120.000 sírios que fugiram para países vizinhos como Iraque, Jordânia, Líbano e Turquia. No total, mais de 358.000 pessoas deixaram seus lares na Síria para escapar da guerra civil.

(Com Agência Reuters)