Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Afeganistão: A um passo da burca

Apresentadoras de TV, que só cobriam a cabeça, foram forçadas a adotar o traje negro por cima da roupa e o niqab, véu que só deixa os olhos de fora

Por Amanda Péchy Atualizado em 30 Maio 2022, 00h11 - Publicado em 27 Maio 2022, 06h00

Quando os barbudos extremistas do Talibã voltaram a dar as ordens no Afeganistão em agosto, após vinte anos de ausência, o discurso era de modernização. “Não haverá violência nem preconceito contra as mulheres”, proclamou solenemente o porta-voz da milícia, Zabihullah Mujahid. Era papo-furado. A expressão mais evidente da volta da repressão foi ver apresentadoras de TV, que só cobriam a cabeça, forçadas a adotar o traje negro por cima da roupa e o niqab, véu mais radical que só deixa os olhos de fora, tudo para cumprir um decreto que agora exige essa vestimenta, no mínimo — a rígida burca (cobertura da cabeça aos pés, com uma rede na altura dos olhos) é mais recomendável e melhor ainda é não sair de casa. Só que a sociedade afegã, desta vez, está se rebelando e há indícios de racha entre radicais e pragmáticos no governo. Nos noticiários da TV, os apresentadores apareceram de máscara preta, em solidariedade, e a volta do rosto coberto vem sendo desafiada pelas mulheres em vários pontos do país. As adolescentes ainda não retornaram às escolas públicas (o ensino gratuito de meninas só vai até a quinta série), mas as particulares seguem funcionando, bem como as universidades. O desestímulo ao trabalho feminino em plena crise econômica é um baque no orçamento de muitos lares e os maridos protestam. “O Talibã não é um grupo unitário, mas é difícil dobrar os extremistas”, diz Dawn Chatty, do Centro de Estudos de Refugiados da Universidade de Oxford. Enquanto isso, as mulheres penam.

Publicado em VEJA de 1 de junho de 2022, edição nº 2791

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)