Clique e assine a partir de 9,90/mês

Rafaela Silva exalta superação e festeja prata

Por Da Redação - 24 ago 2011, 17h20

Por Wilson Baldini Jr.

Paris – A judoca Rafaela Silva exaltou sua superação nesta quarta-feira na campanha que lhe valeu a medalha de prata no Mundial de Paris. Para subir no pódio na categoria até 57 kg, a brasileira precisou derrotar logo na estreia a atual campeã olímpica Giulia Quintavalle, da Itália.

“A gente sempre espera por uma chave tranquila e pegar logo de cara a campeã olímpica não é fácil. Fiquei um pouco nervosa, mas como havia vencido a italiana esse ano, sabia que ela não era imbatível”, avaliou Rafaela Silva, que minimizou a derrota na final.

“Claro que eu treinei para ganhar a medalha de ouro. Mas a prata foi boa também”, comentou a judoca, que já focada nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. “Evoluí bastante no último ano, ganhei motivação e minha meta, agora, é treinar para a medalha olímpica em Londres 2012”, disse a brasileira, praticamente garantida na Olimpíada após a prata desta quarta.

Continua após a publicidade

Com o segundo lugar, Rafaela embolsou US$ 3 mil (quase R$ 5 mil), dinheiro que será usado para ampliar a casa de sua família na Freguesia, em Jacarepaguá, no Rio. “Vou poder de novo ajudar minha família”, afirmou a judoca, que mora com o pai Luiz Carlos, a mãe Zenilda, a irmã Raquel e a sobrinha Carolina, de seis anos. “Não sei onde estaria hoje se não fosse o judô na minha vida”.

Ketleyn Quadros, por sua vez, lamentou a derrota logo na estreia, na mesma categoria de Rafaela. “Pela minha posição do ranking, sabia que teria lutas bastante complicadas logo no começo. Normalmente sou agressiva, mas não consegui impor meu estilo contra a japonesa”, afirmou.

Outra brasileira a competir nesta quarta, Erika Miranda foi eliminada na segunda luta, pela romena Andreea Chitu. “A romena fez uma finta e antecipei o golpe dela, com um contragolpe na perna. Na hora pensei comigo: ‘Deus, me dá outra chance'”, lamentou.

No masculino, Bruno Mendonça caiu em sua terceira luta, diante do estoniano Kunter Rothberg. “É a segunda vez que luto com ele e nosso estilo não encaixa. Realmente tive dificuldade e vou trabalhar muito para corrigir os erros”, analisou.

Publicidade