Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Leão minimiza irritação de Luis Fabiano e sugere que atletas o ouçam

Nos dois primeiros jogos do São Paulo em 2012, Luis Fabiano não fez gol, mas se destacou por esboçar com gestos e até declarações sua irritação com os passes que recebe, considerados insuficientes por ele. Tudo isso com a tarja de capitão, assumida com a contusão de Rogério Ceni. Porém, o centroavante, em vez de levar uma bronca, vê Emerson Leão sugerir que os colegas aprendam com o ídolo.

‘Aqui dentro, para nós, essa trajetória do Luis Fabiano é normal, tanto que nem vi se ele discutiu com alguém. O Luis tem sua maneira própria de trabalhar, e isso dá a ele um efeito positivo. Às vezes, ele pode se invocar, mas, se o companheiro souber de seu dia a dia e não se preocupar em responder, prestará atenção. E só se presta atenção na pessoa que tem algo a oferecer’, indicou o treinador.

As contestações do camisa 9 já apareceram bastante na estreia contra o Botafogo-SP, quando gesticulou principalmente contra Fernandinho, e se transformaram em cobranças públicas depois do duelo contra o Oeste, quando o atacante teve cinco oportunidades e não colocou nenhuma nas redes.

Apesar da postura, Leão ainda não cogita tirar do astro a função de ser capitão e reforça seus pedidos por calma ao dialogar com a arbitragem. Em relação aos colegas, a sensação é de que tudo passará quando Luis Fabiano fazer gols, apesar de o próprio jogador negar se sentir pressionado por ainda não ter deixado sua marca em 2012.

‘A personalidade e o desejo do Luis Fabiano é gol. Se ele está fazendo um exercício com bola e passa perto do gol, chuta e depois recomeça o exercício. Se fica cinco minutos sem fazer gol, quer fazer logo. É o instinto do centroavante artilheiro’, diagnosticou o chefe, que revela já ter conversado com o comandado sobre a situação.

‘O Fabiano precisa entender que a insistência, às vezes, pode prejudicar. Mas ainda não é o caso dele, estamos no início do campeonato. Ele já não sente mais absolutamente nada [nenhuma dor], treina, se dedica… Uma hora vai sobrar. Até estávamos brincando falando para ele: ‘não se preocupe, quando fizer um, será importantíssimo, talvez no momento certo”, contou.

Apesar de demonstrar compreensão em todos os momentos em que falou sobre o assunto, Leão afirma estar atento á situação. No ano passado, chegou a deixar Marlos afastado do treino por alguns minutos após discussão com Casemiro. Uma advertência desta forma também pode ser aplicada se Luis Fabiano passar dos limites, algo que o técnico ainda não espera enfrentar.

‘O Fabiano é extrovertido, reclama. É a personalidade ele e temos que saber atuar em cima dela, tirar dele tudo que pode ofertar. A nossa rotina normal é de um diálogo mais áspero, uma chamada de atenção de qualquer em campo. O excesso que não é natural. E esperamos não chegar a isso’, afirmou.