Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Escritórios, shows e casa noturna: os planos da Arena 360 para o Maracanã

Empresa vai participar de licitação que define o administrador do estádio pelos próximos 20 anos

Por Lucas Mathias
Atualizado em 4 dez 2023, 16h29 - Publicado em 4 dez 2023, 16h28

Está marcado para a próxima quinta-feira, 7, o início do processo de licitação do Maracanã, que vai definir quem vai administrar o templo do futebol brasileiro pelos próximos 20 anos. Um dos postulantes é a Arena 360, empresa que hoje controla o Mané Garrincha, em Brasília, e planeja trazer para o Rio um projeto ambicioso: transformar o estádio e seu entorno em um complexo não só esportivo, mas voltado também para o mundo corporativo e do entretenimento. 

Liderada pelo empresário paulista Richard Dubois, a Arena 360 já colocou em prática, em Brasília, boa parte do plano que pretende implementar no Rio. Construído para a Copa do Mundo, o Mané Garrincha não recebe grande volume de jogos de grande apelo ao longo do ano e passou a ser referência em outros setores, com salas comerciais que abrigam grandes empresas, praça com restaurantes e faturamento milionário. A ideia é reproduzir a o modelo no Maracanã, com adaptações à realidade carioca. 

Nos planos, está uma praça de alimentação na área externa do Maracanã, que ficará aberta no dia a dia, e terá mais restrições em dias de jogo, além da construção de escritórios na estrutura do estádio, uma casa noturna no terreno próximo ao Parque Aquático Júlio Delamare e até um edifício garagem, o que ainda será avaliado. Também há a possibilidade de usar o Maracanãzinho para eventos, além de competições de basquete e vôlei, como já ocorre com menor frequência. 

Projeto com 70 jogos por ano

Disputado pelos principais clubes do Rio, o estádio tem grande capacidade de público e hoje é administrado por um consórcio entre Flamengo e Fluminense, que mandam seus jogos ali e têm proposta voltada quase exclusivamente para o futebol. Até o fim de 2023, o Maracanã terá recebido 74 partidas oficiais no ano, uma média de quase um jogo a cada cinco dias. 

Continua após a publicidade

Se vencer a licitação, a Arena 360 pretende restringir esse número de datas a 70 jogos, divididos prioritariamente entre Flamengo e Fluminense, mas com disponibilidade também para Vasco e Botafogo, se os clubes demonstrarem interesse. E com 10 dessas partidas reservadas para a Ferj, federação que controla o futebol fluminense e que poderá decidir que equipes usarão o local nessas datas. A ideia é também alugar o estádio por valores baixos, que cubram os custos, já que o plano da empresa é lucrar mais com outras atividades, que com o futebol. E ter um conselho de futebol, que ficará responsável por tomar essas decisões e resolver eventuais conflitos pelo uso do Maracanã. 

O uso do estádio para shows e eventos também está previsto ao longo do ano, em meio às partidas. O tema foi alvo de polêmica nesta reta final do Campeonato Brasileiro, quando o Botafogo precisou mandar sua partida contra o Grêmio em São Januário, já que seu estádio, o Nilton Santos, estava ocupado para uma apresentação. O gramado do Maracanã, muito criticado em 2023, também gera preocupação, em meio a esse volume de compromissos no Maracanã. Mas Dubois garante que já alinhou uma operação para a troca constante do gramado, quando este estiver em condições ruins. E que é possível ter outras atividades ali sem afetar a grama, que pode ser retirada e recolocada posteriormente. Questionado sobre a possibilidade de usar grama sintética, como é feito no Engenhão, o presidente da Arena 360 disse que isso “não agrada no momento”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.