Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em clima de decisão, Corinthians e Palmeiras revivem equilíbrio

O clássico entre Corinthians e Palmeiras é marcado na história não apenas pela rivalidade, mas também pela disputa entre os oponentes em retas decisivas. Na década passada, porém, altos e baixos de ambos diminuíram a relevância dos duelos nas buscas por títulos. Agora, Timão e Verdão se enfrentam neste domingo, às 16 horas (de Brasília), cercados novamente por um clima de decisão e em condições de equilíbrio.

Danilo e Barcos são os destaques

O Palmeiras aparece na primeira colocação do Estadual, com 32 pontos, um de vantagem sobre o Corinthians, que ocupa o terceiro lugar, já que leva desvantagem nos critérios de desempate em relação ao São Paulo.Campeão brasileiro do ano passado justamente em jogo contra o rival, o time do técnico Tite espera tirar o adversário do topo e, para isso, terá apenas uma mudança em relação à vitória sobre o Cruz Azul, quarta, pela Libertadores: sai Alex, com dores na coxa, para a provável entrada de Emerson. Alessandro, ainda em busca da forma física após se livrar de incômodo muscular, e Willian, em má fase, mais uma vez não foram relacionados.

Dependendo ainda do resultado do São Paulo contra o Mirassol, fora de casa, o Alvinegro pode terminar a rodada liderando se vencer. Do outro lado, o Verdão sonha em aumentar sua série invicta para igualar o recorde de Luiz Felipe Scolari e se firmar na dianteira.

O Palmeiras não perde há 22 partidas, incluindo compromissos pelo Brasileirão de 2011, o Paulistão, a Copa do Brasil e o amistoso contra o Ajax. A maior série de Felipão sem derrotas à frente da equipe foi em 1998, quando emplacou 23 partidas, mas isso não gera empolgação exagerada ao técnico.

‘São duas grandes equipes, de muita qualidade e que estão atuando bem na temporada. Acho que são 50% para cada lado, não tem favorito. Trata-se de um clássico e todos sempre esperam uma grande partida’, avaliou o comandante alviverde.

Tite, por sua vez, tenta fazer com que seus atletas deixem a Libertadores um pouco de lado e voltem as atenções para o campeonato à parte que o clássico configura. ‘São competições diferentes, com grau de responsabilidade diferente. Nós e o Santos (que também disputa o torneio continental) temos um nível maior de competição do que nessas duas primeiras fases da Copa do Brasil (que o Palmeiras está disputando). Para nós, agora, é pau dentro na ida e na volta, uma exigência muito grande’, discursou, lembrando do equilíbrio raro do confronto nos últimos anos.

‘Um clássico entre Palmeiras e Corinthians não tem nada de morno nunca, mas às vezes tem alguns ingredientes a mais. Talvez seja meu primeiro com os dois em grande momento (nesta passagem pelo Alvinegro)’, acrescentou.Sem acharem que o fato de disputar a Libertadores simultaneamente diminui a força corintiana, os jogadores do Palmeiras estão cientes de que apenas uma vitória pode garantir sem sustos a permanência na ponta (sem risco de serem ultrapassados pelo Tricolor). Por isso, tratam o Derby como uma decisão.

‘É uma final de campeonato para nossa equipe. Em um jogo desses não se pode brincar, tem de jogar duro. Vai faltar um pouco do apoio da torcida do Palmeiras, que estará em menor número (o rival é o mandante), mas ali dentro do campo não existe incentivo maior do que enfrentar o Corinthians. Não adianta nada fazer essa bela campanha que estamos fazendo e não vencê-los’, alertou o zagueiro Leandro Amaro.

Um grande atrativo será o encontro da melhor defesa com o melhor ataque do Estadual. Com apenas nove gols sofridos em 14 jogos, o Timão terá pela frente um setor ofensivo que, comandado pelo argentino Barcos, já vazou os oponentes 32 vezes (número equivalente ao do São Paulo).’Nossa equipe está bem, todo mundo tem ajudado. Quem entra dá conta do recado, como é o caso do Edenílson jogando como lateral. Todos ajudam na marcação, o que é muito importante. O Liedson, por exemplo, não está fazendo gols, mas auxilia bastante’, analisou o zagueiro Chicão, que reencontrará o chileno Valdivia pela primeira vez após a derrota por 2 a 1 no primeiro turno do Brasileirão do ano passado, quando os dois trocaram tapas após o famoso ‘chute no vazio’ do camisa 10 alviverde.

O Mago, inclusive, é a principal novidade do Palmeiras para o clássico, depois de ter cumprido suspensão na Copa do Brasil. Desta vez, o chileno deve ser o responsável sozinho pela armação das jogadas do Verdão, já que Daniel Carvalho sente dores na coxa direita e não tem condições de atuar.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS X PALMEIRAS

Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)

Data: 25 de março de 2012, domingo

Horário: 16 horas (de Brasília)

Árbitro: Marcelo Rogério

Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo

Assistentes adicionais: Vinicius Furlan e Raphael Claus

CORINTHIANS: Julio Cesar; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Ralf, Paulinho e Danilo; Emerson, Jorge Henrique e Liedson

Técnico: Tite

PALMEIRAS: Deola; Cicinho, Leandro Amaro, Henrique e Juninho; Márcio Araújo, Marcos Assunção, João Vitor e Valdivia; Maikon Leite e Barcos

Técnico: Luiz Felipe Scolari