Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cartão azul no futebol passará por testes na Copa da Inglaterra

Nova punição, que será aplicada nos campeonatos masculino e feminino, visa combater antijogo e agressões a árbitros

Por Alessandro Giannini Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 fev 2024, 11h50 - Publicado em 8 fev 2024, 18h35

Não bastassem dois cartões, o amarelo e o temido vermelho, para complicar vida de árbitros e jogadores de futebol, a International Football Association Board, órgão que regulamenta as regras do esporte, vai testar um terceiro, o azul. A nova modalidade de punição, que tira o atleta de campo por dez minutos em razão de antijogo, simulação ou desrespeito a um dos árbitros, será testada pela instituição no próximo verão europeu, nas Copas da Inglaterra masculina e feminina.

O IFAB, que colocou os cartões azuis em pauta desde novembro, publicará os protocolos detalhados na sexta-feira, 9. Já existem testes em andamento no futebol amador e juvenil na Inglaterra e no País de Gales, mas os árbitros têm usado cartões amarelos em vez de azuis para a punição. O conselho deverá dar luz verde ao teste em níveis mais profissionais do jogo em sua próxima assembleia geral anual em Loch Lomond, Escócia, em 2 de março.

Outros itens dessa agenda incluem testes de “períodos de reflexão” após conflitos entre jogadores, punindo os goleiros que desperdiçam tempo com a marcação de tiro de meta e permitindo apenas que o capitão do time se aproxime do árbitro. “Vejo como interessante se aplicado para toda e qualquer reclamação com árbitro, para quem comete a quinta ou décima falta em sequência, ou mesmo para quem comemora gols retirando camisa, que é um bom exemplo de ato que gera expulsões tidas como indevidas pela maioria das pessoas”, analisa Thiago Freitas, COO da Roc Nation Sports no Brasil, empresa que administra as carreiras de vários atletas.

E o aspecto psicológico?

Sob o ponto de vista da psicologia, Eduardo Cillo, coordenador de psicologia esportiva do COB (Comitê Olímpico do Brasil), entende que o novo recurso pode ser interessante. “Eu reflito sobre o impacto que vai ter no comportamento dos jogadores, na medida em que ficar 10 minutos fora de campo, implicando em inferioridade numérica temporária e consistir em uma vantagem (ao adversário). Algo que já acontece em outras modalidades coletivas de quadra, no qual esse tipo de penalidade é aplicada. O impacto no comportamento vai depender muito dos critérios que vão ser utilizados na aplicação dessa penalidade. Então, a depender dos critérios, o jogador vai passar a evitar certas atitudes que podem gerar essa infração, assim como a aplicação do amarelo e vermelho fazem”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.