Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Anderson Silva inaugura academia em São Paulo

Octógono fica no Parque São Jorge, no Corinthians, e plano é desenvolver também projetos sociais

Por Davi Correia
24 out 2011, 13h40

“Ainda não sei quando votarei a lutar, estou fazendo fisioterapia. Dependo da autorização dos médicos”

Contratado pelo Corinthians, Anderson Silva inaugurou, na manhã desta segunda-feira, na sede do clube, no Parque São Jorge, a academia de luta com seu nome. Com a camisa do clube, explicou que o foco da academia será desenvolver projetos sociais, apesar de ser aberta a quem queira praticar luta. “A meta é fazer um trabalho social com as crianças carentes que moram aqui perto.”

A academia tem um octógono, aparelhos para habilidades técnica e um grande tatame. As paredes estampam fotos das últimas lutas de Anderson contra Yushin Okami no UFC Rio, e Vitor Belfort no UFC 136 – em ambas Anderson nocauteou os adversários. Em outra parte, algumas imagens de recordações com amigos como Ronaldo, um dos donos da agência que cuida da carreira do lutador, e Rodrigo Minotauro, companheiro de treino.

Andrés Sanchez e Anderson Silva: slogan da academia é “Anderson Silva, lutai por nós!”
Andrés Sanchez e Anderson Silva: slogan da academia é “Anderson Silva, lutai por nós!” (VEJA)

As aulas começam a partir do dia 1º de novembro e o preço mensal varia entre 70 reais, para sócios, e 200 reais, para não-sócios. Anderson garante que treinará na academia sempre que estiver em São Paulo. Caio Campos, gerente de marketing do Corinthians, disse que o clube irá cadastrar de 100 a 120 crianças entre 7 e 15 anos que já treinam futebol e desejam participar das aulas de luta. “Não vamos treinar crianças para lutar campeonatos. A ideia é ensinar os fundamentos das artes marciais, como concentração e respeito pelos mestres.” Cada turma deve ter no máximo vinte alunos – que não pagarão para treinar. Volta – Machucado no ombro desde a última luta contra Yushin Okami, Anderson Silva ainda não sabe quando lutará novamente. “Ainda estou fazendo fisioterapia, dependo da autorização dos médicos.” Sobre as declarações do americano Chael Sonnen falando mal do Brasil, Anderson disse que “não tenho nada para falar sobre ele; acho que estão dando muita atenção a esse cara”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.