Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ricky Gervais se mostra reticente a apresentar novamente o Globo de Ouro

Los Angeles (EUA), 17 jan (EFE).- O comediante britânico Ricky Gervais se mostrou aliviado em deixar para trás sua terceira atuação como mestre de cerimônias do Globo de Ouro, um trabalho que prefere não voltar a fazer, como ele expressa nesta terça-feira em seu blog.

O polêmico Gervais conduziu a cerimônia de entrega de prêmios do último domingo com um tom mais moderado que nas duas ocasiões anteriores, mas sem deixar de questionar a masculinidade de Justin Bieber e a qualidade dos filmes de Jodie Foster e Johnny Depp.

Ainda assim, ele se mostrou satisfeito com a atuação. ‘Foi de longe a favorita das minhas três apresentações. Foi fabuloso’, comentou Gervais, que no entanto anunciou que não pretende mais assumir a função. ‘Disse a meu agente para nunca mais deixar que me convençam a fazê-lo novamente’.

‘É como saltar de paraquedas. Você só curte em retrospectiva, quando se dá conta que não se matou e que foi algo alucinante’, confessou o ator.

Gervais fez um balanço da cerimônia de domingo e considerou que ‘finalmente’ os convidados chegaram à conclusão de que suas brincadeiras ‘só pareciam grosseiras e sujas, mas que, na verdade, não eram tão aterrorizadoras, ou simplesmente estavam mais bêbados’.

Criador da série ‘The Office’, o britânico indignou muitos em Hollywood em sua primeira atuação em 2010 como apresentador do Globo de Ouro, quando fez brincadeiras sobre os problemas de Mel Gibson com álcool, o interesse de celebridades por cirurgias estéticas e o caríssimo divórcio de Paul McCartney.

Em 2011, ele elevou ainda mais o tom de seu discurso para ridicularizar diversos atores e inclusive a própria organização do festival, ao falar abertamente sobre o escândalo de possíveis subornos a membros da Associação da Imprensa Estrangeira de Hollywood.

Nessa edição, também fez brincadeiras de mau gosto à custa de Charlie Sheen e de seus problemas com drogas, assim como sobre a idade da cantora Cher. EFE