Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Vetada, festa ‘Show Medicina’ terá espaço de divulgação na USP

Para o Ministério Público Estadual, qualquer apresentação do evento na USP será um descumprimento da medida

Por Da Redação 11 fev 2016, 15h30

A festa Show Medicina, vetada na Universidade de São Paulo (USP) desde o ano passado, ainda terá espaço na instituição para convidar calouros durante o período de matrícula, a partir desta quinta-feira. A concessão do espaço, em uma área do Centro Acadêmico dos alunos, tem provocado críticas de coletivos estudantis.

Leia também:

Aprovados na USP devem fazer a matrícula entre quinta e sexta

Direito e medicina da USP também têm festas com álcool vetadas

A realização do Show Medicina foi suspensa dentro do campus por tempo indeterminado em 2015 após recomendação do Ministério Público Estadual (MPE). A festa, uma espécie de teatro com sátiras entre estudantes, foi alvo de investigações e de uma Comissão Parlamentar de Inquérito na Assembleia Legislativa por relatos de trote, humilhação e assédio sexual. Apesar do veto, a USP entende que a divulgação do show na universidade é permitida. Para o MPE, qualquer apresentação na USP será um descumprimento da medida.

Continua após a publicidade

O diretor do Show Medicina, Lucas Severo Pecorino, afirmou que não sabe onde e como será organizado o evento deste ano: “Não possuímos data ou local.” O grupo que organiza a festa está tentando negociar com o MPE as recomendações emitidas pelo órgão, e enviaram uma contraproposta, que ainda não foi respondida.

Segundo Lucas, os calouros terão um dia para conhecer as outras entidades estudantis e que o grupo do Show Medicina irá se apresentar para os estudantes, assim como a Atlética e o Centro Acadêmico: “Será apenas uma roda de conversa com os alunos”.

Denúncias – O caso do Show Medicina veio a público após a denúncia de duas estudantes que disseram ter sido estupradas em festas organizadas por alunos da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Fmusp). Depois dos relatos das alunas, feitos em uma audiência pública na Alesp, foi instaurada uma CPI que durou até março do ano passado e recomendou, em seu texto final, que alunos com histórico “trotista” não pudessem participar de concursos públicos.

Com a repercussão do caso, a Fmusp reagiu: anunciou na época a criação de um Centro de Direitos Humanos, com assistência jurídica, ouvidoria, assistências psicológica e de saúde para apoiar os alunos da instituição que forem vítimas de violência. Também em 2015, um estudante de Medicina acusado de ter estuprado três alunas foi suspenso e impedido de colar grau.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês