Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Um pódio para o Brasil…na matemática

O estudante Pedro Sponchiado, de 17 anos, quebra o jejum de ouros do país na Olimpíada Internacional de Matemática, na Romênia

A Olimpíada Internacional de Matemática, conhecida como IMO, a sigla em inglês, reúne geninhos da disciplina desde 1959, quando estreou na Romênia. O embate é duro: as questões requerem alta capacidade de abstração, raciocínio lógico e treino, muito treino para manter a concentração e resolver a prova com organização, criatividade e método. Nada que lembre a matemática da escola. A primeira participação do Brasil em uma IMO ocorreu em 1979 e, de lá para cá, o país acumulou dez medalhas de ouro. A última delas veio nesta 59ª edição, realizada de novo na Romênia, tradicional celeiro de cérebros para a matemática. Havia seis anos que os brasileiros não recebiam a medalha dourada.

Com ela, mais quatro de bronzes e uma menção honrosa, o Brasil ficou na 28ª posição entre 107 países — uma subida de nível em relação à competição de 2017, em que terminou em 37o lugar. O dono do feito é o estudante Pedro Lucas Lanaro Sponchiado, de 17 anos. Ele marcou 35 dos 42 pontos possíveis, fruto de uma rotina de estudos que o manteve absorvido pela matemática desde o 1o ano do ensino médio. “Estudava seis horas por dia”, diz. “Os professores têm aperfeiçoado o treinamento a cada ano, inclusive com a presença de especialistas estrangeiros neste tipo de competição”, explica Régis Prado Barbosa, líder da delegação brasileira, do Colégio Etapa, em São Paulo, que treinou quatro dos seis jovens participantes.

O interesse de Pedro por matemática já levou o rapaz para muitos lugares. Além de competir na Romênia, Argentina e Cabo Verde, o paulista trocou a cidade natal, Santa Cruz do Rio Pardo, no interior do estado, pela capital, a mais de 340 quilômetros de distância. “Mudei de escola no 1º ano do ensino médio para me preparar melhor para as competições e ter mais condições de passar em uma boa universidade nos Estados Unidos”, conta Pedro, a quem não falta ambição: ele pretende estudar matemática ou ciências da computação na Universidade de Princeton ou no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  1. Johnny Bravo

    Bravo! Esse é o país que eu quero: onde as pessoas se lixem para os interesses nefastos do governo e mesmo assim lutem e vençam por seus próprios méritos.

    Curtir

  2. Paulo Carrijo

    Diferentemente de uns e outros que acham que por estas plagas só viceja corrupção, indolência e incompetência, eu, assim como mais de 90% de outros brasileiros, acreditamos que o país é muito melhor do que verbera alguns. Esse garoto é um exemplo do que existe no país e do qual desconhecemos porque é muito mais fácil auto infligir conceitos depreciativos que nos diminui comparativamente com outros povos, pois, em assim agindo e pensando justificamos a nossa própria incapacidade de sermos melhores. Parabéns ao garoto, aos seus pais e aos seus professores pelo feito.

    Curtir