Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Professores pedem saída da Unifesp de Guarulhos

Docentes entregam dossiê ao reitor da instituição. Eles criticam precariedade do campus e alegam que ele impede a formação adequada dos alunos

Por Da Redação 3 ago 2012, 09h01

Professores do campus de Guarulhos, na Grande São Paulo, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) pressionam a reitoria para que a unidade se mude da cidade. Um dossiê com o pedido foi entregue ao reitor, Walter Albertoni. O desconforto com a localização do campus já havia surgido entre docentes, mas é a primeira vez que a proposta é oficializada.

Leia também:

Reuni: atraso em obras ameaça excelência da Unifesp

CGU aponta ‘sistemática de atrasos’ em obras das federais

MEC diz não ter ‘plano B’ caso greve dos professores continue

“A dificuldade extrema de acesso ao câmpus Guarulhos impede que os alunos recebam devidamente a formação concebida pelo projeto acadêmico original da Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH )”, cita o dossiê. “A EFLCH foi fundada para cumprir seu projeto acadêmico original; não para atender às urgências do Bairro dos Pimentas”, acrescenta. Os professores favoráveis à mudança defendem que os cursos poderiam ir para o centro de São Paulo. Isso porque a Unifesp acaba de oficializar o prédio que abrigará um curso de Direto a partir de 2014, no Largo do Paiçandu.

Continua após a publicidade

A Unifesp foi para Guarulhos em 2007 por meio do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni). Desde a inauguração, há queixas de falta de infraestrutura e dificuldade de acesso. Reportagem do site de VEJA mostrou que o prédio principal do campus, que deveria ter sido entregue no 2º semestre de 2010, ainda não saiu do chão e sequer foi licitado. Sem salas de aula suficientes, alunos precisam utilizar o Centro Educacional Unificado (CEU), unidade dedicada ao ensino infantil, localizada ao lado.

Professores se queixam ainda da falta de metrô e trem e alegam que as vias que levam ao bairro não suportam o trânsito local.

Medo – O dossiê não é assinado já que professores dizem temer represálias de lideranças estudantis consideradas radicais e ligadas a movimentos políticos. A proposta não é unanimidade entre o corpo docente, mas, segundo o coordenador da pós-graduação em filosofia da Unifesp, Juvenal Savian, cerca de 70% dos professores apoiam a ideia. “A escola, como foi concebida, não cabe lá, é uma falsa imagem. A Unifesp não faz nada especificamente para a população local”, afirma.

Savian lembra o exemplo da USP Leste, unidade da Universidade de São Paulo (USP) que não atrai uma maioria de alunos da região e não colaboraria com sua transformação. Cerca de 70% dos alunos da Unifesp também não moram em Guarulhos. O professor defende que a presença da instituição no bairro possa ser mantida por atividades de extensão universitária ou escola de aplicação. O dossiê sugere que alguns cursos permaneçam no local caso seja de interesse de seus coordenadores.

O documento traz queixas ainda do perfil dos alunos: “Estudantes com melhor preparo desistem de frequentar a EFLCH, obrigando-a a receber estudantes semialfabetizados”.

Já professores favoráveis à permanência em Guarulhos criticam a proposta. “Esse dossiê não foi apresentado em assembleia, não é representativo da categoria docente do campus Guarulhos e contém expressões e juízos de valor muito equivocados e alguns até preconceituosos”, rebate a professora Lavinia Silvares, do curso de letras. A reitoria criou uma comissão para analisar o dossiê.

(com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade