Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Professora Nilma Sladkevicius: alfabetização e combate ao preconceito

Com projeto “Um sorriso negro, um abraço negro”, alfabetizadora de Osasco (SP) foi uma das vencedoras do Prêmio Educador Nota 10

Por Luiz Felipe Castro - Atualizado em 27 set 2019, 12h55 - Publicado em 27 set 2019, 12h37

Nilma Sladkevicius é professora de língua portuguesa na EMEF Luiz Bortolosso, em Osasco (SP), e sua sala de aula é frequentada por alunos de 30 a 80 anos, a maioria formada por nordestinos e marcados por vários tipos de preconceito. Ela, então, elaborou um projeto de alfabetização baseado no combate ao racismo e foi uma das dez vencedoras do Prêmio Educador Nota 10 de 2019.

“Fizemos uma pesquisa de campo com uma ‘tabela de preconceito’, no qual o racial foi o mais citado. A partir daí, desenvolvemos o projeto, e as histórias de vida dos alunos desencadearam uma rede de aprendizado”, celebra Nilma, de 63 anos. O sucesso do projeto atraiu dezenas de novos alunos.

“Levamos os alunos a peças, museus, palestras sobre escravidão, indicamos biografias de personalidades que lutaram pela causa negra. E, no fim, pedimos que estes alunos escrevessem sua própria biografia. Foi muito impactante”, completou Nilma.

Publicidade

Com o projeto “Um sorriso negro, um abraço negro”, Nilma conquistou um lugar entre os dez melhores professores do ano pelo Prêmio Educador Nota 10, promovido pelas fundações Victor Civita e Roberto Marinho. Ela agora tem a chance de ser vencedora do título Educador do Ano na cerimônia que acontece no dia 30 de setembro, em São Paulo.

Publicidade