Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Casamento gay cresce 10% no país, enquanto união hétero cai 2,3%

O brasileiros estão se divorciando com maior frequência e o tempo médio do casamento caiu de dezessete para catorze anos entre 2007 e 2017

Por Thaís Augusto Atualizado em 31 out 2018, 17h45 - Publicado em 31 out 2018, 10h00
  • Seguir materia Seguindo materia
  • O casamento entre pessoas do mesmo sexo cresce em ritmo mais acelerado do que a união entre héteros no Brasil. O casamento entre pessoas de sexo diferente caiu 2,3% em 2017 na comparação com o ano anterior. No mesmo ano, houve alta de 10% no casamento homoafetivo. Os dados, retirados das Estatísticas de Registro Civil, foram divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Publicidade

    As mulheres são as que mais formalizam a união entre pessoas do mesmo sexo – representaram 57,5% dos casamentos em 2017.

    Publicidade

    No Sudeste acontece a maioria das uniões homossexuais (60%). E ainda assim, o número é baixo. Os casamentos gays representam apenas 0,68% de todas as uniões formalizadas na região.

    O Norte registra o menor índice de casamentos homossexuais. Foram apenas 209 uniões realizadas durante 2017. O número representa 0,25% de todas as 81.165 cerimônias feitas na região.

    Publicidade

    Dos 27 estados brasileiros, dezoito apresentaram redução no número de casamentos. Entre 2017 e 2016, o Ceará registrou uma queda de 10%. Por outro lado, o Amapá teve um aumento de 11,1% nas uniões.

    Continua após a publicidade

    Divórcio

    Os dados do IBGE ainda revelam que os brasileiros permanecem menos tempo juntos e estão se divorciando com maior frequência. O tempo médio do casamento caiu de dezessete para catorze anos entre 2007 e 2017. Enquanto isso, a taxa de divórcio sofreu elevação de 2,48% em 2017 na comparação com o ano anterior.

    Publicidade

    Os casais separam-se mais no Sudeste, onde a taxa de divórcio é de 2,99%. A separação é menos comum na Região Nordeste (1,75%). Segundo o IBGE, a maioria dos divórcios acontece entre famílias com filhos menores de idade (45,8%).

    A pesquisa também identificou alta no número de divórcios que acabam com a guarda compartilhada dos filhos. O índice foi de 7,5% para 20,9% entre 2014 e 2017.

    Publicidade
    Continua após a publicidade

    Desde 1977, a Lei do Divórcio prevê o convívio equilibrado da criança com o pai e a mãe separados. Mas apenas em 2014 foi sancionada uma lei que passou a priorizar a guarda compartilhada, mesmo sem o acordo dos responsáveis.

    Entretanto, ainda é mais comum que a guarda dos filhos menores acabe com a mulher: isso acontece em 69,4% dos casos. Em 2016, o porcentual era ainda maior, de 74,4%.

    Publicidade

    Na data do divórcio, os homens têm, em média, 43 anos, enquanto as mulheres têm 40 anos de idade.

    Publicidade

    Publicidade

    Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

    Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

    Domine o fato. Confie na fonte.

    10 grandes marcas em uma única assinatura digital

    MELHOR
    OFERTA

    Digital Completo
    Digital Completo

    Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

    a partir de R$ 2,00/semana*

    ou
    Impressa + Digital
    Impressa + Digital

    Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

    a partir de R$ 39,90/mês

    *Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
    *Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

    PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
    Fechar

    Não vá embora sem ler essa matéria!
    Assista um anúncio e leia grátis
    CLIQUE AQUI.