Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Portela e Mocidade lamentam morte de Wilson Moreira: ‘samba em luto’

Compositor teve músicas gravadas por cantores como Alcione, D. Ivone Lara, Jair Rodrigues, entre outros

Por Agência Brasil 7 set 2018, 16h40

Vítima de um câncer, morreu na noite desta quinta-feira, no Rio de Janeiro, o sambista Wilson Moreira. Ele tinha 81 anos. A notícia na morte foi dada pela página oficial do músico no Facebook. A Portela, escola pela qual o bamba esteve diversas vezes em comissões de frente com baluartes e em carros alegóricos, divulgou uma nota de lamento pela perda. “A Portela, o mundo do samba e a MPB estão de luto pelo falecimento do genial compositor portelense Wilson Moreira”, diz o texto.

Nascido Wilson Moreira Serra em dezembro de 1936, no bairro de Realengo, na zona oeste do Rio, trabalhou como guia de deficientes visuais, guarda penitenciário e engraxate antes de se dedicar ao samba. De família de jongueiros e tocadores de caxambu, Wilson se interessou pelo samba desde o começo da adolescência, quando se declarou fã de baterias de escolas de samba. Logo começou a compor suas primeiras letras e se tornou um dos fundadores da ala dos compositores da Mocidade Independente de Padre Miguel.

No Facebook, a escola divulgou uma nota oficial lamentando a morte de Moreira. “A Mocidade Independente de Padre Miguel rende suas homenagens ao grande compositor Wilson Moreira, autor dos nossos sambas de 1962 e 1963. Expressamos nossa solidariedade a seus familiares, desejando que Deus os conforte nesse momento.”

A Portela, contudo, foi sua casa maior. Moreira assume a camisa azul e branca em 1968, e fica lá até o fim, como integrante da Velha Guarda Show da escola.

Para além da avenida, Moreira gravou discos e assinou canções entoadas por grandes nomes da música brasileira, caso de Te Segura, Goiabada Cascão, Morrendo de Saudade e Peso na Balança, gravados por Beth Carvalho; Gostoso Veneno, na voz de Alcione; Mulata do Balaio e Deixa Clarear, com Clara Nunes; e Cidade Assassina, gravada por Elizeth Cardoso.

Continua após a publicidade

Também foi parceiro de Zeca Pagodinho no sucesso Judia de Mim. Em parceria com Nei Lopes, gravou os discos A Arte Negra, lançado em 1980, e O Partido (Muito) Alto, de 1985.

O enterro do corpo de Wilson Moreira será neste sábado, dia 8, no Cemitério do Caju, no Rio.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês