Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

A saga de Dakota Johnson para deixar ‘Cinquenta Tons de Cinza’ no passado

Destaque em 'A Filha Perdida', atriz investe em uma carreira que passa longe da trilogia erótica que a deixou famosa no mundo

Por Marcelo Canquerino Atualizado em 17 jan 2022, 18h04 - Publicado em 17 jan 2022, 12h09

Em 2019, Dakota Johnson leu o roteiro de A Filha Perdida, adaptação escrita por Maggie Gyllenhaal do livro de mesmo nome da autora Elena Ferrante, e ficou impressionada. Ela decidiu que tentaria o papel de Nina, a jovem mãe que vira objeto de obsessão de Leda (Olivia Colman) durante uma viagem à Grécia. A princípio, Gyllenhaal hesitou. A diretora, roteirista e atriz nunca havia assistido a nenhum filme da saga Cinquenta Tons de Cinza, trilogia erótica deveras vergonhosa que deixou Dakota famosa no mundo. A cineasta topou uma conversa com a atriz, e logo mudou de ideia. “Em cinco minutos, estávamos falando sobre as partes mais íntimas e vulneráveis ​​de sermos nós mesmas, sermos mulheres no mundo e por dentro”, contou Gyllenhaal em entrevista ao The Hollywood Reporter

+ Compre o livro A Filha Perdida

O drama de cores indie não foi uma escolha aleatória da atriz. Segundo ela, esse é o tipo de filme que a interessa — enquanto a saga erótica inspirada nos livros de E.L. James foi, por assim dizer, um desvio de percurso. A moça, porém, não é ingrata. Mesmo que Cinquenta Tons de Cinza seja um entretenimento barato, ao mostrar a saga da moça virgem que se envolve com um bilionário sadomasoquista em roteiros sofríveis, Dakota não se arrepende do trabalho. “Sinto que não fiquei marcada pelo papel. Eu poderia, porém, ter seguido uma carreira diferente desde então, mas não era o que eu queria”, disse a atriz que vem buscando adicionar ao seu currículo filmes com mais tutano.

+ Compre o livro Cinquenta Tons de Cinza

Dakota Johnson e Jamie Dornan em Cinquenta Tons de Cinza
Dakota Johnson e Jamie Dornan em Cinquenta Tons de Cinza //Divulgação

O desejo de atuar começou na infância. Nascida no Texas, Estados Unidos, Dakota Johnson vem de uma família de estrelas de Hollywood. Seu pai, o ator Don Johnson, protagonizou a clássica série dos anos 1980 Miami Vice e sua mãe, Melanie Griffith, possui um robusto histórico no cinema, com destaque para Uma Secretária do Futuro, que lhe rendeu uma indicação ao Oscar. Quando Dakota tinha 10 anos, Griffith cedeu aos pedidos da filha e permitiu que ela atuasse a seu lado no longa Loucos do Alabama. “Depois disso, eu não trabalhei até os 18 ou 19 anos”, conta Dakota. “Se dependesse de mim, teria deixado a escola. Mas meus pais queriam que eu completasse minha educação, o que era irônico, porque a primeira metade da minha vida foi viajar, nunca ir à escola e aprender com um tutor.” 

Continua após a publicidade

Já adulta, seu primeiro papel — apesar de pequeno — foi no sucesso A Rede Social, de 2010, dirigido por David Fincher. Mas só em 2015, com Cinquenta Tons de Cinza, que a fama bateu de fato na porta da atriz. Ao contrário de Maggie Gyllenhaal, o cineasta Luca Guadanino, de Me Chame Pelo Seu Nome, assistiu aos filmes e se encantou por Dakota. Eles se tornaram amigos e a atriz virou uma figurinha carimbada nas produções de Guadadino, desde o drama Um Mergulho no Passado, de 2015 ao remake do clássico do terror italiano Suspiria — ambos com Tilda Swinton no elenco. 

Suspíria - A Dança do Medo
Cena do filme “Suspíria – A Dança do Medo” PlayArte/Divulgação

Aos 32 anos, Dakota está expandindo sua área de atuação. Há dois anos, ela lançou a produtora TeaTime Pictures ao lado da ex-executiva da Netflix Ro Donnelly. Na lista de produções já constam 25 projetos, incluindo dois filmes finalizados. A veia empreendedora vai além do cinema. Ela é investidora e co-diretora criativa da marca de bem-estar sexual Maude. “Se você gosta de ter um vibrador rosa gigante, todo o poder para você”, disse em entrevista à revista Elle

/
Dakota Johnson como Anne Elliot em adaptação de Persuasão, de Jane Austen Netflix/Divulgação

Para além dos projetos paralelos, Dakota Johnson não tem planos de deixar a carreira de atriz. Entre seus próximos projetos estão a adaptação de Persuasão, livro homônimo de Jane Austen, na qual será a protagonista, Anne Elliot, e um filme da Amazon Studios dirigido por Augustine Frizzell, que comandou o piloto de Euphoria. Assim, Cinquenta Tons fica cada vez mais no passado da atriz — sorte a dela.

+ Compre o livro Persuasão

*As vendas realizadas através dos links neste conteúdo podem render algum tipo de remuneração para a Editora Abril

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês