Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

‘A Filha Perdida’ captura a essência das mulheres de Elena Ferrante

Nos livros da autora italiana, o “sexo frágil” passa longe de idealizações sociais – dos velhos estereótipos ao mea-culpa da mulher forte da ficção atual

Por Raquel Carneiro Atualizado em 12 jan 2022, 18h07 - Publicado em 2 jan 2022, 13h29

Em um primeiro olhar, Leda parece uma mulher inofensiva, solitária e melancólica, que passa as férias sem as filhas em uma ilha ao sul da Itália. Vivida pela excelente Olivia Colman em A Filha Perdida, novo filme da Netflix, Leda não demora a demonstrar que, na verdade, é uma pessoa espinhosa e astuciosa – personalidade que vem à tona quando uma família numerosa e barulhenta toma a praia onde ela descansava em paz com seus livros. Professora universitária de literatura, Leda é integrante do seleto grupo de protagonistas criadas por Elena Ferrante, a misteriosa autora italiana que assina a tetralogia napolitana iniciada por A Amiga Genial (2011). Em comum, as mulheres advindas da literatura de Elena são parte de um mundo de intelectuais com anseios que vão além dos desejos tipicamente associados aos estereótipos do feminino. Para começar, no universo da autora a idealização é uma balela. O ser humano, seja qual for o gênero ou idade, é falho. E lá fora, o mundo é hostil. Sob a direção de Maggie Gyllenhaal, A Filha Perdida capta com primor essa vida cercada por arestas.

+ Clique aqui para comprar o livro A Filha Perdida

+ Clique aqui para comprar o livro A Amiga Genial

As cenas de Leda na praia, observando ao longe uma jovem mãe (vivida por Dakota Johnson) e sua filha pequena – partes da família barulhenta –, se mesclam a flashbacks da protagonista na juventude (interpretada por Jessie Buckley) e os duros deveres da maternidade diante de suas filhas Bianca e Martha. Elena Ferrante rejeita a ideia comum de que mulheres nasceram para ser mães e que nada há de maior do que o laço da maternidade. Em seus livros estão mães que se arrependeram de ter tido filhos e outras que negligenciam os rebentos pela carreira ou pela frugalidade de um romance – isso tudo sem um fiapo de culpa.

Dakota Johnson em 'A Filha Perdida' -
Dakota Johnson em ‘A Filha Perdida’ – Netflix/Divulgação
Continua após a publicidade

Jessie Buckley em 'A Filha Perdida' -
Jessie Buckley em ‘A Filha Perdida’ – Netflix/Divulgação

Se de um lado a autora rompe com a ideia do conto de fadas da mulher maternal, pudica e feita para cuidar do lar, do outro lado ela também repudia o conceito já incrustado no mea-culpa da ficção atual, da tal “mulher forte”. Em Dias de Abandono, novela de 2002, a protagonista Olga, que mudou toda sua vida em prol do marido e dos filhos, se vê numa espiral de autodestruição e amargura quando é abandonada pelo esposo. Em A Vida Mentirosa dos Adultos, de 2019, seu romance mais recente, Giovanna é uma adolescente que também entra numa tremenda crise após ser comparada pelo pai à uma tia considerada detestável pela família. Sem a aprovação masculina, seu processo de amadurecimento é penoso.

+ Clique aqui para comprar o livro Dias de Abandono

+ Clique aqui para comprar o livro A Vida Mentirosa dos Adultos

Da maternidade ao apoio masculino, são muitos os pesos carregados pelas mulheres e desmistificados pela pena da autora. Diante de um livro de Elena Ferrante ou de um filme adaptado de sua obra, o imprevisível é a regra. E suas mulheres, fortes e fracas, belas e feias, velhas e jovens, se equilibram como podem até, enfim, assumir as rédeas para definir as próximas regras.

*As vendas realizadas através dos links neste conteúdo podem render algum tipo de remuneração para a Editora Abril

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)