Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Brasil entra de vez na rota dos grandes eventos de vinho

Realização da sétima International Wine Trade Fair, principal feira de negócios do setor, mostra o avanço do mercado

Por André Sollitto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 18 abr 2023, 22h50 - Publicado em 18 abr 2023, 20h09

Começou nesta terça-feira (18), em São Paulo, a sétima edição da International Wine Trade Fair, principal feira do mercado de vinhos do Brasil. O evento acontece no Pavilhão de Exposições do Anhembi até quinta-feira (20) e é dedicado a profissionais do setor. Diferente de outras feiras do tipo, além de importadoras e vinícolas, a Wine Trade Fair envolve toda a cadeia de produção da bebida, então conta com expositores mais diversos, do setor agrícola a produtores de garrafas, passando por redes de hotéis, escolas e associações.

A International Wine Trade Fair foi criada em 2017, mas a trajetória de seus organizadores é bem mais antiga e se confunde com o próprio amadurecimento do mercado de vinhos no Brasil. A empresária Zoraida Lobato e o jornalista Eduardo Viotti, autor de livros sobre o assunto, foram precursores em criar os primeiros eventos do País, ainda na década de 1990, como a Vivavinho e a Expovinis.

Ao longo das últimas décadas, o perfil das feiras mudou. O mercado cresceu, surgiram mais importadoras, várias focadas em nichos específicos, e a própria produção nacional foi se profissionalizando. O consumidor adquiriu mais conhecimento e o consumo vem crescendo gradualmente. Quando se olha a média nacional, de 2,64 litros per capita, ficamos muito atrás de grandes consumidores, como os portugueses, os maiores do mundo, com 51,9 litros por pessoa por ano. Mas em regiões específicas, vê-se claramente o aumento. No Rio Grande do Sul, por exemplo, a média fica em 7 litros; em Brasília, são 4,6, e em São Paulo, quarto do ranking, segundo a Ideal Consulting, a média é de 3,6 litros por ano por pessoa.

Além da International Wine Trade Fair, acontece de forma paralela a Cachaça Trade Fair, também organizado por Zoraida Lobato e a Market Press. Segundo ela, o destilado é reconhecido no mundo inteiro e atrai o interesse de importadores estrangeiros. “Há outras bebidas no evento, mas a cachaça, um produto tipicamente brasileiro, é muito cobiçado lá fora”, diz ela. A empresária conta que já recebeu profissionais do mundo do vinho que vieram com vontade de conhecer a cachaça, e percebeu o potencial de realizar um evento focado na bebida.

A empresária Zoraida Lobato -
A empresária Zoraida Lobato – (Divulgação/Divulgação)

Tudo isso se traduz em um mercado mais exigente, e as feiras do setor precisam dar conta dessa demanda. Na edição deste ano, o Congresso Internacional da Cachaça e do Vinho (Cicavi) oferece uma programação com o tema Conectividade e Gestão que inclui assuntos como harmonização e serviço, gestão e operação de bebidas em bares e restaurantes, leveduras usadas na produção de cachaça e bitters brasileiros, entre outros. Na quarta (19), por exemplo, Marcelo D’Arienzo, CEO da Wine desde 2015, vai dar uma palestra sobre omnicanalidade do vinho: múltiplos canais de divulgação, distribuição, e comercialização, outro tema que mostra o quanto o mercado está diversificado e, mais importante, digitalizado.

Hoje, tudo, a Wine Trade Fair, a Cachaça Trade Fair e o Cicavi, acontecem de forma conjunta em uma grande convenção. 

O trabalho de Zoraida tem ajudado a colocar o Brasil na rota dos grandes eventos do vinho. E basta ver o calendário deste ano para ver o quanto o mercado está aquecido. Na semana passada, o lançamento do Guia Descorchados, principal referência da América do Sul, trouxe ao país dezenas de produtores. No final de maio, a Rio Wine and Food Festival, no Rio de Janeiro, chega à décima edição. Em junho, Rio e São Paulo recebem mais uma edição da feira Vinhos de Portugal, que é um sucesso de público. Há a feira Naturebas, focada na produção de vinhos naturais, orgânicos e biodinâmicos. Em setembro, há a Wines of South America, realizada em bento Gonçalves, e em outubro, São Paulo recebe a Pro Wine, outra importante feira de negócios. A própria Market Press atua em outras frentes, e é responsável pelo Wine Weekend, voltado para o consumidor final.

Estimar o valor que esses eventos geram em negócios é uma tarefa quase impossível, já que são ambientes que estimulam a troca de conhecimento e a criação de laços que muitas vezes só se transformam em parcerias rentáveis tempos depois. Mas sua realização é fundamental para fomentar o mercado e torná-lo sempre mais diverso.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.