Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

VEJA Gente

Por Valmir Moratelli Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios
Continua após publicidade

Por que muitos homens não querem ser pais

Número de brasileiros sem planos de ter herdeiros aumenta a cada ano; psicóloga explica

Por Valmir Moratelli Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 13 Maio 2024, 22h52 - Publicado em 11 ago 2023, 12h00

Fabio Porchat no Brasil e Jon Hamm (Mad Men) nos Estados Unidos são dois dos nomes badalados que vieram a público recentemente negar a vontade de ter filhos. Seja por motivos financeiros, medos ou traumas, ou ainda simplesmente pela ausência da vontade de exercer a paternidade, a decisão de não querer ter filhos impacta diretamente no crescimento da população. De acordo com dados do Censo 2022, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), há atualmente 203,1 milhões de habitantes, número menor do que os 207,8 milhões estimados pelo próprio IBGE. Além disso, quando essa é uma decisão unilateral de um cônjuge, o relacionamento entre o casal pode correr o risco de passar momentos de crise. Mas por que muitos homens não querem ser pais? Segundo a psicóloga Glauce Corrêa, é preciso entender os múltiplos motivos que levam a esta decisão. “Alguns homens não se sentem preparados para encarar a paternidade. Para eles, ampliar a família ou dar continuidade às gerações, não se faz importante. Nem todos têm a necessidade de cuidar de alguém que dependa dele. Querem aproveitar a vida de casado, estendendo o maior tempo possível na vida a dois, viajando, estudando e agregando valores em suas carreiras. Não se pode negar, também, traumas sofridos na infância; falta de convivência com o pai ou medo de obrigações. Na verdade, isso tudo resume a paternidade não ser o seu objetivo prioritário, diz.

A psicóloga também alerta que a decisão de um casal em ter filhos tem que passar pela vontade de ambos. “Quando esta decisão é unilateral, corre o risco de desapontamento do casal, ou até mesmo o término de uma união até então estável. Ao mesmo tempo, não se pode deixar de citar que casais que se relacionam e estão vivendo a vida a dois por muito tempo, tem a relação abalada com a chegada de um bebê”, continua.

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.