Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

VEJA Gente Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Valmir Moratelli
Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios
Continua após publicidade

‘O feminismo não é uma coisa só’, defende deputada em livro

Fernanda Melchionna (PSOL) lança ‘Tudo isso é feminismo? - Uma visão sobre histórias, lutas e mulheres'

Por Giovanna Fraguito Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 28 nov 2023, 11h08 - Publicado em 28 nov 2023, 11h01

Tudo isso é feminismo?” – Uma visão sobre histórias, lutas e mulheres (ed. de Cultura) marca a estreia da bibliotecária e deputada federal gaúcha Fernanda Melchionna (PSOL), 39 anos, no universo literário. A partir da experiência em debates sobre gênero, feminismo e luta das mulheres nos mais diferentes espaços sociais, sua primeira obra trabalha a história de luta por direitos das mulheres.

“O livro é um resgate histórico de lutas de mulheres em diferentes tempos. Nele também utilizei diversas pensadoras, teóricas e militantes que fizeram parte dessa história. A principal proposta era ‘desapagar’ mulheres e lutas e reunir em uma mesma obra momentos de suas conquistas. Mas o feminismo não é uma coisa só, dentro dele existem muitos feminismos. A proposta do livro não é responder o que é feminismo ou afirmar conceito fechado, mas provocar a reflexão, convidar para a ação. Por isso a pergunta: ‘Tudo isso é feminismo?’”, explica ela à coluna.

Fernanda relata que as redes sociais foram positivas para o movimento de empoderamento das mulheres, na chamada “quarta onda” do feminismo. Aguerrida em seu discurso em defesa das mulheres, a deputada destaca o que o movimento representa. “Ser feminista, prioritariamente e em termos curtos, é combater o machismo, a misoginia e o patriarcado. É lutar pela igualdade, vida e direito das mulheres. O feminismo não é o contrário do machismo, é sua negação. Não queremos que os homens recebam 22% a menos que as mulheres pelo mesmo trabalho, por exemplo. Queremos igualdade e justiça”.

Como política e escritora, Fernanda, elege o governo Lula como “a maior vitória democrática desde a redemocratização”, mas critica a demissão de mulheres em altos cargos. “A demissão de mulheres vai na contramão da política que queremos, fortalece o fisiologismo e enfraquece a paridade de gênero na política e no alto escalão. Mas piora (por outro lado), porque é para que os cargos sejam entregues ao ‘centrão’. Partidos que até ontem estavam alinhados com Bolsonaro estarão em postos-chave do governo, como a presidência da Caixa Econômica Federal, responsável por projetos sociais”, lamenta.

Continua após a publicidade

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.