Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
VEJA Gente Por Valmir Moratelli Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

A nova concorrente da Globo que a assusta mais do que a Record

Mauro Alencar, consultor e doutor em teledramaturgia pela USP, diz a VEJA por que o streaming ameaça a hegemonia da emissora carioca

Por Valmir Moratelli Atualizado em 4 jul 2022, 12h34 - Publicado em 30 jun 2022, 08h00

Quais os novos rumos da TV aberta diante da mudança de hábito do consumidor brasileiro? Essa é a pergunta que profissionais da área mais têm feito nos últimos tempos, na tentativa de antecipar tendências do mercado audiovisual. Para o pesquisador Mauro Alencar, 60 anos, doutor em teledramaturgia pela USP, professor de pós-graduação no Centro Universitário Belas Artes e por décadas consultor da TV Globo, a hegemonia da emissora está com os dias contados, diante do avanço das empresas de streaming, principalmente na formação de novos telespectadores. Recentemente, Alencar contou a VEJA que doou todo seu rico acervo de teledramaturgia para uma universidade em São Paulo. A seguir, trechos do bate-papo com Alencar, autor do livro A Hollywood brasileira – panorama da telenovela no Brasil:

USO DA MEMÓRIA

“Ninguém liga mais para nada! Acho lamentável o que estão fazendo com a memória no país. Não aprendemos com os Estados Unidos. Os grandes parques da Disney, por exemplo, alimentam a memória da população, é algo fenomenal. As memórias histórica e afetiva fomentam a economia criativa. Os americanos criaram a radionovela, as séries, a indústria do entretenimento, tudo baseado em memória. Você vai a um parque para cultivar a memória afetiva de filmes”.

EFEITOS DO STREAMING

“A TV hoje está toda fragmentada, é resultado direto do que o streaming está provocando no mercado audiovisual. A novela enquanto gênero ainda vai permanecer por um bom tempo, mas se adaptando de outras maneiras, mais atenta à pluralidade do gosto do público”.

Continua após a publicidade

FIM DA HEGEMONIA

“A mensagem de massa não existe mais. Irmãos coragem é o Brasil de ponta a ponta. A nova versão de Pantanal, não, ainda que tenha grande audiência e enorme repercussão. A Globo não vai perder hegemonia para a TV Record ou o SBT, está perdendo para o streaming. Dia desses estava no Rio, parei para comprar um biscoito numa banca, e o rapaz me perguntou se eu não queria levar mais um pacote para comer enquanto vejo alguma série da Netflix. É disso que estou falando. Há uma mudança comportamental em curso”.

NOVOS TEMPOS

“Hoje cada um vê sua novela da forma que quer, onde quer. E pensar que em 1964/ 1965, milhares se reuniram no estádio do Maracanãzinho, no Rio, e o Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, para assistir ao último capítulo da novela O direito de nascer, das já extintas TV Tupi e TV Rio”.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)