Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Thomas Traumann

Thomas Traumann é jornalista e consultor de risco político. Foi ministro de Comunicação Social e autor dos livros 'O Pior Emprego do Mundo' (sobre ministros da Fazenda) e 'Biografia do Abismo' (sobre polarização política, em parceria com Felipe Nunes)
Continua após publicidade

A África vem ao Rio

Reunião do G20 de novembro será a primeira com presença da União Africana

Por Thomas Traumann Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 10h32 - Publicado em 8 fev 2024, 16h41

Em 1884, na residência oficial do chanceler prussiano Otto von Bismarck, em Berlim, representantes dos governos da Grã-Bretanha, Dinamarca, Espanha, Itália, Bélgica, Império Austro-Húngaro, Rússia, Reino Unido da Suécia e Noruega, Império Otomano e os Estados Unidos se reuniram por meses para, na prática, dividirem a África entre si. Nações foram repartidas sem critério, etnias foram tornadas minorias de rivais e trinta anos depois 90% do continente era controlado pela Europa. Nenhum africano estava na reunião, embora o sultão de Zanzibar tenha insistido em ser convidado. Não foi.

No excepcional livro Africa is not a country (A África não é um país), o jornalista e escritor nascido nos EUA e criado na Nigéria Nipo Faloying discorre sobre os efeitos da Conferência de Berlim na estabilidade política e econômica dos países africanos até hoje, 140 anos depois.

É essa colcha de retalhos de 55 países complexos representada pela União Africana, que pela primeira vez estará com voz e voto na principal reunião de cúpula do mundo, o próximo G20 do Rio de Janeiro. O evento, agora um G-21, será em novembro, ironicamente o mesmo mês do início do acordo promovido por Bismarck que transformou o continente para sempre.

Nada que será discutido no encontro do Rio — de incentivos financeiros à transição ecológica a programas de combate à fome e regras globais para o desenvolvimento da inteligência artificial — terá o mesmo peso simbólico da presença da União Africana justamente quando o G20 ocorre no país de maior herança africana fora da África.

O G20 se tornou importante em 2008, quando o então presidente dos EUA, George W. Bush, usou a reunião para coordenar ações para minimizar os efeitos da crise financeira mundial. Embora, em tese, representem as 20 maiores economias do mundo, o clube tem peculiaridades como incluir a União Europeia e, assim, permitir a presença de países não-europeus e fora do ranking dos 20 mais ricos, como Argentina e África do Sul. No encontro do ano passado, na Índia, decidiu-se pela primeira vez ampliar o clube com a entrada da União Africana.

Continua após a publicidade

O encontro na Índia foi marcado pelo boicote do presidente chinês Xi Jinping e pela ausência do presidente russo Vladimir Putin devido à emissão de um pedido de prisão pelo Tribunal Penal Internacional. A diplomacia brasileira busca achar um meio para que desta vez todos os líderes participem. O evento do Rio será marcado pelo resultado da eleição dos EUA, marcada para 5 de novembro.

Como anfitrião, o presidente Lula pode convidar outros chefes de governo fora da lista oficial. Já foram confirmados três africanos (Angola, Egito e Nigéria), três europeus (Espanha, Portugal e Noruega), dois asiáticos (Emirados Árabes Unidos e Singapura) e, no mínimo, três sul-americanos (Paraguai, Uruguai e Bolívia).

Ainda em fevereiro, ocorrem as duas primeiras grandes reuniões preparatórias: nos dias 21 e 22, os chanceleres de todos os países se encontram no Rio; em 28 e 29, os ministros da Fazenda e presidentes do Banco Central se reúnem em São Paulo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.