Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Tela Plana Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Kelly Miyashiro
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

Participante do ‘Casamento às Cegas’ acusa produção de abafar abuso sexual

Mulher que entrou na quinta temporada do programa diz ter sofrido agressão sexual e que produção foi conivente com violência, entre outros crimes

Por Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
6 out 2023, 18h11

Uma participante do reality Love is Blind, versão americana e original de Casamento às Cegas, está processando a produção do programa sob acusação de ter sido agredida sexualmente e submetida a cárcere privado durante as gravações da quinta temporada. Tran Dang move a ação contra as produtoras americanas Kinetic Content e Delirium TV, responsáveis pelo show, afirmando que havia sido recrutada para o elenco de forma agressiva e “sequestrada intencionalmente por duas semanas”. A mulher também alega ter sido abusada sexualmente por seu noivo no programa, Thomas Smith, em 3 de maio de 2022, durante uma locação no México. Em Casamento às Cegas, os participantes têm vários encontros às cegas com outras pessoas e só podem conhecer o interesse amoroso pessoalmente se houver um pedido de casamento aceito entre o casal.

De acordo com o documento produzido pelo escritório de advocacia Wallace & Allen LLP, de Houston, que defende Tran Dang, as produtoras têm todos as alegações da suposta vítima registradas em vídeo e, por causa disso, a produção teria ciência do abuso sexual, sido negligente ao não proteger a participante e ainda por cima conivente com a violência ao tentar disfarçar o problema. “Os produtores da Delirium TV e da Kinetic Content fizeram tentativas de mascarar a agressão sexual da requerente, caracterizando-a como uma falta de atração por parte do requerente”, diz uma parte dos autos do processo.

Tran também teria ficado perplexa pela falta de suporte e que, ao tentar falar com um membro da produção, teria sido culpabilizada pelo abuso sexual ao “não se comunicar de forma eficaz ou de alguma forma não levar o relacionamento do programa a sério”. A mulher busca reparação pelos danos. O casal formado no reality não aparece na quinta temporada de Love is Blind que estreou na Netflix em 22 de setembro.

Em um comunicado conjunto, a Kinetic Content e a Delirium TV negaram as acusações, chamando-as de infundadas. “Documentamos as escolhas independentes de adultos que se voluntariam para participar numa experiência social. A jornada deles não é roteirizada, nem filmada 24 horas por dia. Não temos conhecimento ou controle sobre o que ocorre em espaços privados quando não estão filmando, e os participantes podem optar por encerrar sua jornada a qualquer momento. Levamos a sério toda e qualquer preocupação de nossos participantes e priorizamos seu bem-estar. Obviamente, não podemos abordar preocupações não reveladas e, durante todo o tempo em que a Sra. Dang esteve envolvida na produção de Love is Blind, ela nunca informou os produtores de qualquer alegada irregularidade de qualquer tipo. Ela também não optou por encerrar sua participação no experimento. Em vez disso, a Sra. Dang continuou no experimento por semanas após o momento em que seus advogados agora afirmam que ocorreu um incidente. Negamos e defenderemos vigorosamente as acusações contra nós”, diz a nota.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.