Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Tela Plana

Por Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

‘Último Ato’ revela bastidores da caçada ao assassino de Abraham Lincoln

Ao narrar a impiedosa caçada, a série expõe a penosa reconstrução da democracia dos Estados Unidos após a guerra civil

Por Amanda Capuano Atualizado em 3 jun 2024, 17h11 - Publicado em 22 mar 2024, 06h00

Na noite de 14 de abril de 1865, cinco dias após o fim da Guerra de Secessão, o então vitorioso presidente americano Abraham Lincoln (1809-1865) e sua esposa, Mary, se dirigiram ao Ford’s Theatre, em Washington, para assistir à peça Our American Cousin. Além do casal, estavam no camarote o major Henry Rathbone e sua noiva, Clara Harris, que presenciaram um dos momentos mais decisivos — e assus­tadores — da história dos Estados Unidos. Pouco depois das 22 horas, enquanto a plateia ria em coro, o ator John Wilkes Booth (1838-1865) — que não estava no elenco — se posicionou atrás da cortina do camarote e desferiu um tiro na nuca de Lincoln. Após o atentado, bradou frases como “liberdade para o sul” e “assim sempre aos tiranos”, fugindo do local em seguida. Gravemente ferido, Lincoln morreu poucas horas depois, e iniciou-se uma caçada a seu assas­sino. A corrida para capturar Booth e todos que participaram do plano conspiratório é apresentada na afiada Último Ato, série da Apple TV+ que acaba de chegar ao streaming, com episódios semanais às sextas-feiras.

Inspirada no livro A Caçada ao Assas­sino de Lincoln: 12 Dias que Abalaram os EUA (Record), do historiador James L. Swanson, a trama da Apple é o exemplar mais recente de um filão vigoroso na plataforma: a ficção histórica que ilumina figuras e momentos importantes dos Estados Unidos, extraindo do passado lições valiosas para o presente. Recentemente, Mestres do Ar levou para as telas a história do 100º Grupo de Bombardeiros, aviadores que combateram os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Em abril, lançará a minissérie Franklin, focada na influência que Benjamin Franklin e sua aliança com os iluministas franceses teve na independência americana. No mês seguinte, chega The Big Cigar, drama que narra a fuga do líder dos Panteras Negras, Huey P. Newton, para Cuba.

HISTÓRIA - O Lincoln real: primeiro presidente assassinado no país
HISTÓRIA - O Lincoln real: primeiro presidente assassinado no país (Courtesy of the National Archives/Newsmakers/Getty Images)

No caso de Último Ato, a contribuição para se conhecer em profundidade a história americana é dupla: a série retrata os esforços de reconstrução do país nos tempos que se seguiram ao fim da guerra civil e à morte de Lincoln — e expõe a biografia e as ideias tortas de seu assassino. Ator de carreira, Booth (Anthony Boyle) tinha obsessão pela fama, e matar o presidente faria dele um homem conhecido no país. Essa, no entanto, não foi sua única motivação: em uma nação polarizada, Booth era simpatizante ferrenho dos confederados, que estavam revoltados com os esforços de Lincoln pelo fim da escravidão e a promoção de direitos aos negros americanos.

Foi nesse contexto que ele conseguiu angariar um grupo de apoiadores para um plano que, caso desse certo, teria lançado o país no caos: sua intenção era matar não só o presidente, mas também o vice, Andrew Johnson (Glenn Morshower), e o secretário de Estado, William Seward (Larry Pine), deixando os Estados Unidos sem um líder imediato. Mas Booth foi o único a completar a tarefa: Seward foi esfaqueado, mas sobreviveu, e Johnson nem sequer foi ferido — o encarregado de matá-lo teria se embriagado e perdido a coragem de cometer o crime.

Continua após a publicidade
HORA TRÁGICA - Lincoln (Hamish Linklater, à dir.) e a esposa, Mary: tiro na nuca
HORA TRÁGICA - Lincoln (Hamish Linklater, à dir.) e a esposa, Mary: tiro na nuca (Apple TV+/.)

O protagonista de fato da série é o secretário da Guerra, Edwin Stanton (Tobias Menzies), braço direito de Lincoln (Hamish Linklater) e líder da operação de caça ao assassino. Com Stanton em sua cola, Booth se escondeu por doze dias, mas acabou cercado pelas forças da União num celeiro na Virgínia. A ideia era capturá-lo vivo, mas ele foi morto com um tiro na nuca, assim como matara Lincoln. Controverso, o tribunal militar ouviu quase 400 pessoas, entre elas Mary Simms (Lovie Simone), que depôs contra o homem que a escravizou. Ao final, outras oito pessoas foram condenadas por conspiração, quatro à forca e os demais à prisão. Um espião chegou a dizer que o presidente confederado, Jefferson Davis, estava envolvido, mas não havia evidências de que ele tivesse relação com o assassinato.

O que veio a partir daí foi um processo de reconstrução cercado de ameaças: assumindo o cargo após a morte de Lincoln, o vice Johnson perdoou uma série de confederados condenados, inclusive pelo complô que matou seu antecessor, e se opôs a leis que davam direitos aos negros, entrando em rota de colisão com o Congresso — que, felizmente, ratificou a abolição. Johnson quase sofreu um impeachment, mas faltou um voto para que fosse retirado do cargo, e, assim como Donald Trump faria mais de um século depois, se recusou a comparecer à posse do sucessor. Algumas coisas não mudam — e conhecer o passado é um alerta instrutivo.

Publicado em VEJA de 22 de março de 2024, edição nº 2885

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.