Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Gentrificação, o que é isso?

A palavra gentrificação, forma aportuguesada do inglês gentrification, tem sido vista no noticiário com frequência ainda pequena, mas crescente, e parece a caminho de se firmar em nosso vocabulário. O principal mérito do substantivo gentrificação – ato ou efeito de gentrificar, outro vocábulo emergente, também importado do inglês – é o de nomear de forma […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 04h55 - Publicado em 26 nov 2013, 15h02

A palavra gentrificação, forma aportuguesada do inglês gentrification, tem sido vista no noticiário com frequência ainda pequena, mas crescente, e parece a caminho de se firmar em nosso vocabulário.

O principal mérito do substantivo gentrificação – ato ou efeito de gentrificar, outro vocábulo emergente, também importado do inglês – é o de nomear de forma sucinta um fenômeno complexo. A tradução “enobrecimento urbano”, favorecida por alguns estudiosos, precisa de duas palavras para dar o mesmo recado.

Na definição do Aulete, que largou na frente entre os grandes dicionários brasileiros no registro da palavra, gentrificação é “processo de recuperação do valor imobiliário e de revitalização de região central da cidade após período de degradação; enobrecimento de locais anteriormente populares [Processo criticado por especialistas em planejamento urbano e urbanismo.]”

A definição é competente, embora a referência às áreas centrais das cidades, onde o fenômeno é mais frequente, possa dar a impressão errônea de que a gentrificação se limita a elas. Chega ao luxo de registrar de passagem o que o processo tem de controverso, com seus prós e seus contras: investimento em infra-estrutura, revitalização econômica e redução da criminalidade costumam vir acompanhados de grande valorização dos imóveis, aumento do custo de vida e expulsão de parte dos moradores antigos para vizinhanças distantes.

O verbo inglês to gentrify é derivado de gentry, “nobreza, fidalguia”, uma velha palavra oriunda, via francês, do latim gentilis, “da mesma família ou raça”. Nosso vocábulo gentil tem a mesma raiz e, antes de se firmar com o sentido de “delicado, elegante, fino”, queria dizer “fidalgo, de boa linhagem”. A pouco usada palavra gentil-homem (do francês gentilhomme), isto é, cavalheiro, guarda vivo tal sentido.

Informa o dicionário Oxford que desde o século XIX o adjetivo gentrified era usado para se referir a pessoas que, tendo origem humilde, haviam subido na vida, como se diz. Mas foi só nos anos 1960 que a palavra gentrification ganhou, inicialmente no meio acadêmico, a acepção urbanística que importamos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)