Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Rio Grande do Sul

Por Veja correspondentes
Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre
Continua após publicidade

Abertura de impeachment contra Marchezan é rejeitada

Vereadores contrários à abertura do processo de impeachment alegaram que denúncia era inconsistente

Por Paula Sperb
18 out 2017, 17h51

Com o plenário lotado de manifestantes contrários ao prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr. (PSDB), os vereadores da capital gaúcha rejeitaram a abertura de impeachment contra o tucano. Apenas sete vereadores votaram a favor da abertura do impeachment e 28 foram contrários. A votação ocorreu na tarde desta quarta-feira e a denúncia contra Marchezan foi protocolada no Legislativo no dia 11 de outubro. Na ocasião, procurado por VEJA, o prefeito não comentou o assunto.

A denúncia é de autoria de dois taxistas que alegam que a prefeitura não estava cumprindo a lei de fiscalização do transporte intermediado por aplicativos como Uber e Cabify em Porto Alegre. A lei que regulava os aplicativos determinava vistorias e cobranças de impostos, como ocorre com os taxistas. A lei acabou sendo derrubada liminarmente no mesmo dia em que o pedido de impeachment foi protocolado.

A maior parte dos vereadores contrários à abertura do processo de impeachment argumentou que a denúncia era inconsistente. Mesmo votando contra, o vereador Felipe Camozzatto (Novo) criticou Marchezan dizendo que o prefeito é “intransigente”, tem “dificuldade de ouvir e dialogar” e “tem optado pelo conflito ao invés de investir energia para o bem da cidade”. O partido de Camozzatto, o Novo, foi o autor da ação na Justiça que conseguiu derrubar a regulamentação de aplicativos como Uber na capital gaúcha.

Os vereadores de oposição aproveitaram a votação para pedir mais transparência nas contas da prefeitura, que está parcelando há meses os salários dos funcionários. O Ministério Público de Contas (MPC) chegou a pedir uma auditoria no caixa da prefeitura.

“Queremos uma auditoria porque o governo aumenta a crise para poder privatizar”, disse a vereadora Fernanda Melchiona (PSOL), que votou pela abertura do processo de impeachment. “Tem o elemento de simbolismo político”, disse o vereador Roberto Robaina (PSOL).

O presidente da Câmara de Vereadores, Cássio Trogildo (PTB), que não tem direito a voto, declarou na sessão que se pudesse decidir, seria contra a abertura do impeachment. Na opinião do vereador Idenir Cecchim (PMDB) a votação de uma denúncia inconsistente “atrapalhou um dia de votação dos projetos”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.