Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Continua após publicidade

Janones nega rachadinha: afinal, a prática é crime. Desde que…

Especialista no uso das fake-news, o deputado agora se diz vítima de fake news.

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
28 nov 2023, 19h19

“Nunca recebi um único real de assessor, não comprei mansões, nem enriqueci e isso por uma simples razão, eu nunca fiz rachadinha” declarou André Janones (Avante) a respeito da gravação, feita por um de seus próprios assessores, em que aparece organizando a rachadinha. Janones, que sempre foi adepto entusiasmado das fake-news, agora se queixa de ser vítima de fake-news. Toda rapadura tem seu dia de mingau, diz o ditado.

Janones apoia Lula e é inimigo figadal do bolsonarismo. Em outros tempos, acusou incansavelmente Flávio Bolsonaro da prática de rachadinha. Flávio, por sua vez, dizia que não havia feito “nada criminoso” e que “a investigação é ilegal” e constituía “uma perseguição contra o presidente Bolsonaro”. Seu irmão Carlos e o pai dos dois diziam a mesma coisa. “É uma prática meio comum”, admitiu Jair. Mas a atribuiu à esquerda e se deixou de fora: “Aí não vou falar de mim, né. Sou suspeito para falar de mim… Eu não tenho servidor meu falando, denunciando…”. Só que tinha. Mais de um.

O clã Bolsonaro conseguiu a proeza de ser investigado por rachadinha nas três esferas, federal, estadual e municipal, mas os casos de parlamentares acusados da prática são incontáveis. Só na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro há dezenas de deputados e ex-deputados sendo investigados. Quem encabeça a lista é André Ceciliano, do PT, com mais de R$ 49 milhões em movimentações atípicas.

Rachadinhas, como fake-news, não são privilégio da direita nem da esquerda: há praticantes de todas as colorações político-ideológicas — sendo que a mais comum é a cor de burro-quando-foge. Está ao alcance de todos. É democrática.

Continua após a publicidade

Rachadinha continua sendo crime, claro. Desde que tenha sido cometida pelo adversário.

(Por Ricardo Rangel em 28/11/2023)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.