Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Ricardo Rangel

Continua após publicidade

Ex-comandantes das Forças Armadas indicam que a ordem do golpe existiu

O general Freire Gomes e o brigadeiro Baptista Jr. depuseram à Polícia Federal com a clareza que se espera de quem tem a missão de defender a Pátria

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 11h36 - Publicado em 4 mar 2024, 19h03

O general Freire Gomes, comandante do Exército de março a dezembro de 2022, prestou depoimento à Polícia Federal. Falou por sete horas. Consta que…

  • Não deixou pergunta sem resposta.
  • Admitiu ter participado de pelo menos uma reunião em que se discutiu o golpe.
  • Disse ter agido silenciosamente para impedir o golpe.
  • Atribuiu a manutenção dos acampamentos golpistas a uma “ordem” de Bolsonaro.

Duas semanas atrás, o brigadeiro Carlos Baptista Júnior, comandante da Aeronáutica de abril de 2021 a dezembro de 2022, também depôs à PF. Consta que tenha seguido uma linha parecida à de seu par no Exército.

É refrescante que oficiais generais das Forças Armadas brasileiras falem aberta e tranquilamente à Justiça sobre o que viram e o papel que desempenharam no momento em que se conspirava contra a República. É o que se espera daqueles que são responsáveis pela defesa da Pátria.

Militares brasileiros, como se sabe, se orgulham de ter honra, integridade e coragem insuperáveis, falam disso com frequência. É constrangedora a quantidade de militares, com destaque para generais, que vêm se comportando de maneira vergonhosa — quando não patentemente criminosa. Espera-se que outros militares sigam o exemplo de Freire Gomes e Baptista Jr. e mostrem que hombridade não é a exceção (como hoje parece) em nossas Forças Armadas, mas a regra.

Continua após a publicidade

Pelo que se sabe, os testemunhos dos dois ex-comandantes corroboram o que disse Mauro Cid: o dois foram chamados (e pressionados, como vimos nas mensagens de Braga Netto) a aderir ao golpe — e recusaram. Freire Gomes teria chegado a alertar ao presidente que, se assinasse a ordem, seria preso. Ora, ninguém assina ordem de botar tanque na rua nessa circunstância.

Mas a ordem verbal e a pressão (inclusive por escrito) para que as Forças Armadas pusessem a tropa na rua não caracterizam tentativa de golpe? Ninguém tem a menor dúvida sobre qual será a interpretação do Supremo a respeito.

(Por Ricardo Rangel em 04/03/2024)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.