Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Ricardo Rangel

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Continua após publicidade

Caso Marielle: mas é só isso? E sobre Bolsonaro, nada?

O ministro Ricardo Lewandowski e a Polícia Federal consideram o caso Marielle Franco encerrado, mas a verdade é que apenas arranharam a superfície

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 11h04 - Publicado em 25 mar 2024, 19h33

Caso Marielle: mas é isso? E o Bolsonaro?

O ministro Ricardo Lewandowski e o diretor da Polícia Federal, Andrei Rodrigues anunciaram que o assassinato de Marielle Franco está desvendado. E encerrado.

O anúncio deixa uma desconfortável sensação de que ficou faltando muito.

Para começar, faltam as provas. Delação premiada, como se sabe, não é elemento de prova. E, por enquanto, não apareceu nada que demonstre que Ronnie Lessa diz a verdade.

Além disso, é estranho Lessa aceitar cometer um crime tão complexo e perigoso sem receber nada à vista, contentar-se com a promessa de ganhar um lote imobiliário em algum momento do futuro.

Continua após a publicidade

Também falta um motivo convincente para o crime. Os Brazão podem ser criminosos, mas não são burros. São inteligentes e pragmáticos,  e sabem que matar parlamentares não é coisa banal.

As divergências sobre o projeto de lei 174/2016 parecem pouco: afinal, o projeto foi aprovado antes do atentado. A tese de que Marielle estaria convencendo moradores a não comprar imóveis também parece pouco convincente, a área de atuação de Marielle não era brigar com a milícia.

E falta explicar muita coisa — especialmente sobre os pontos de contato de Jair Bolsonaro com o caso. Vejamos alguns exemplos:

  1. Élcio de Queiroz e Ronnie Lessa foram presos em março 2019. O governador Wilson Witzel, então aliado próximo de Bolsonaro, diria em 2021 que a prisão deixou Bolsonaro “profundamente irritado”. Por quê?

  2. Um dos motivos pelos quais Lessa e Queiroz foram presos foi a entrada da Polícia Federal no caso. Após a prisão, Bolsonaro começou a pressionar Sergio Moro para substituir o superintendente da PF do Rio. Em agosto, Moro cedeu. Por que o presidente quis trocar o chefe da PF no Rio?

  3. Em outubro, o Jornal Nacional revelou que o porteiro do condomínio (onde moravam Jair Bolsonaro e o assassino de Marielle) havia afirmado que, no dia do crime, o motorista Élcio de Queiroz procurara o “seu Jair” na casa de Bolsonaro. O porteiro foi desmentido, se retratou e sumiu do mapa. Vive acuado. Alguém induziu o porteiro a implicar Bolsonaro? Alguém o ameaça? Quem? Por quê?

  4. Em fevereiro de 2020, o matador de aluguel Adriano Magalhães da Nóbrega, antes suspeito do assassinato , foi morto pela PM/BA em uma operação com características de queima de arquivo. Adriano era próximo dos Bolsonaro, que sempre o defenderam, e a Flávio chegou a empregar a mulher e a mãe do matador em seu gabinete de deputado estadual.

    Mais tarde, a viúva de Adriano afirmou à polícia que Adriano recusara o contrato para matar Marielle. Quem teria oferecido o contrato? E a irmã do matador, Daniela, disse (num telefonema grampeado pela polícia) que a morte de Adriano teria sido decidida no Planalto, que “cargos comissionados” teriam sido dados em troca de ele ser transformado em “arquivo morto”. Por que isso não foi investigado?
    Continua após a publicidade

  5. Depois da morte de Adriano, Bolsonaro voltou a pressionar Moro para substituir (pela segunda vez) o superintendente da PF no Rio. “Vai trocar! Se não puder trocar, troca o chefe dele! Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro!”, disse na reunião de 22 de abril. Dois dias depois, o diretor da PF, Maurício Valeixo, e Moro caíram juntos. O novo diretor, Rolando Alexandre de Souza, trocou o superintendente do Rio no mesmo dia em que foi empossado. Por quê?

  6. Em julho de 2021, as promotoras Simone Sibilio e Letícia Emile, responsáveis pela prisão de Lessa e Queiroz, abandonaram o caso alegando “riscos de interferências externas”. Quem estava interferindo? E por quê?

Essas são apenas algumas das muitas perguntas que o relatório da PF deixa sem respostas.

Definitivamente, o caso Marielle não está encerrado. Talvez nunca esteja.

(Por Ricardo Rangel em 25/03/2024)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.