Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

PT promete enfiar a mão no seu bolso; com quem você pode contar?

Leia primeiro o post abaixo: Abaixo, há um post em que Paulo Teixeira, líder do PT na Câmara, fala sobre a importância da reforma política e defende o financiamento público de campanha, o voto em lista e a intensificação de plebiscitos e referendos para tornar a democracia mais, como posso dizer?, democrática. A experiência recente […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 12h55 - Publicado em 7 fev 2011, 19h40

Leia primeiro o post abaixo:

Abaixo, há um post em que Paulo Teixeira, líder do PT na Câmara, fala sobre a importância da reforma política e defende o financiamento público de campanha, o voto em lista e a intensificação de plebiscitos e referendos para tornar a democracia mais, como posso dizer?, democrática. A experiência recente na América Latina indica que esses mecanismos de “consulta popular” sempre foram usados contra a liberdade individual em nome do suposto interesse público — que acaba se resumindo aos interesses de grupos militantes. Adiante.

Uma parte da oposição, especialmente aquela que pretende se abrigar sob as asas do senador Aécio Neves (PSDB-MG) fez das tais reformas — também a tributária — o seu “Godot”, como já chamei aqui. Até que não se fale no assunto, então eles fecham o bico sobre o resto. E olhem que motivos não faltam para botar o dito-cujo no trombone! Nada! Faz-se um silêncio sepulcral. “É que as reformas vêm aí…”

Pois é… Talvez venham. E, como se vê, o maior partido do país quer enfiar a mão no nosso bolso para financiar as campanhas eleitorais, como se os partidos políticos já não custassem, entre fundo partidário e horário político na TV, mais de R$ 500 milhões — em ano não-eleitoral; quando há eleição, é muito mais por causa do horário eleitoral. Ou seja: já existe financiamento público.

Reparem que o PT também é favorável ao voto em lista, mecanismo que procura cassar dos eleitores o direito de decidir em quem vão votar. É verdade que eles elegem muita gente que não presta. Mas que sejam eles a fazê-lo, não as cúpulas partidárias. Uma reforma decente aproxima o eleitor do eleito, não o contrário. E há finalmente a proposta para  a plebiscitização da democracia, porteira aberta para a demagogia. A depender da regulamentação desse procedimento, a Constituição fica à mercê de grupos de assalto.

Pois bem: se as oposições estão esperando o Godot das reformas, seria prudente que, desde já, se entregassem ao debate. O que pensam a respeito de cada um desses temas? Mas nem isso fazem, limitando-se a esperar a proposta oficial, quando, então, prometem agir — ou, se quiserem, reagir, fazendo-se caudatária da agenda oficial. Desse mato, sai tucano, mas não sai coelho.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)