Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Oposição que critica queda de juros pode estar com um problema achando que está com a solução

Ai, ai… Vamos ver por onde eu começo. Começo contra mim: não sou economista. Pronto! Agora os adversários já podem dizer: “Então fique de boca fechada!” Mas nem pensar! Nunca! Nem quando opino sobre furacões e, como é mesmo?, tempestades extratropicais — sou sempre contra… Também não sou funcionário do preconceito: “Se baixou juro, critico; […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 10h54 - Publicado em 2 set 2011, 07h45

Ai, ai… Vamos ver por onde eu começo. Começo contra mim: não sou economista. Pronto! Agora os adversários já podem dizer: “Então fique de boca fechada!” Mas nem pensar! Nunca! Nem quando opino sobre furacões e, como é mesmo?, tempestades extratropicais — sou sempre contra… Também não sou funcionário do preconceito: “Se baixou juro, critico; se elevou, também.” As opiniões sobre a decisão do BC se dividem, mas uma coisa é inequívoca: oposição que vai à TV atacar queda de juros está com problema achando que tem a solução.

Olhem aqui: há avaliações para todos os gostos. O pouco que sei me indica que o governo vai economizar uns trocos; que esse meio ponto a menos, de fato, nem cheira nem fede; que a gritaria sobre a perda de autonomia do Banco Central (que, de fato, com muitos gostariam que houvesse, não existe) tem um quê de histeria; que os juros seguem sendo os mais altos do planeta — e muito mais altos, não um pouco. Antes que eu volte lá ao lead, quero chamar a atenção dos coleguinhas para uma coisa.

Se eu fosse da área de economia ou do tal “jornalismo investigativo”, já estaria tentando saber, a esta altura, quem, no mercado, ganhou com a redução dos juros. Convenham: dado o andar da carruagem, era preciso ser porra-louca ou vidente para apostar numa queda de meio ponto na taxa. Como porra-louca de mercado já virou mendigo, e como videntes não existem, seria interessante saber como foi que alguns poucos, pouquíssimos, ganharam com a aposta. “Ah, mercado é assim mesmo, é risco!” Uma ova! Nem os poucos economistas que defendiam a redução acreditavam que ela fosse acontecer. O padrão dos últimos anos é corresponder às expectativas. Sim, há boatos de vazamentos. Eu acho que é meter a enxada nesse terreno para ver pular as minhocas. Dito isso, sigamos.

Vi ontem no Jornal Nacional o senador José Agripino (RN), presidente do DEM, e o líder do PSDB na Câmara, Duarte Nogueira (SP), criticar a decisão do Banco central. Acusam a interferência política do governo federal, especialmente da presidente Dilma, na decisão. Huuummm… Vamos ver. Se o BC fosse mesmo independente, Dilma não poderia demitir o presidente se quisesse. E ela pode. Nem FHC nem Lula — e, provavelmente, Dilma não o fará — operaram a independência efetiva do banco. Eu, sinceramente, nunca achei que o tucano ou o apedeuta (e, agora, a soberana) tivessem de ser proibidos de dar uma opinião. Seria injusto não reconhecer ao presidente da República um direito que assiste a qualquer operador de corretora, não é mesmo?

“Ah, mas o que se fez foi pressão”. Há uma contradição aí — e eu sou lógico no limite da autotortura — que precisa ser considerada: se as pressões são aquelas entrevistas de Dilma e Mantega, então a “autonomia” do Banco Central vai bem, porque foram leves. Se estão falando de uma pressão que se ignora e que é só presumida, então como saber? “Pressão” feita numa entrevista púbica não chega a ser exatamente pressão.

De volta à oposição
Agripino e Duarte Nogueira são dois bons parlamentares. Ambos têm tido uma postura correta, digna e valente como representantes da oposição. Se acharam que a redução foi indevida, fazer o quê? Talvez parar para ponderar um tantinho. Virá por aí um descontrole inflacionário decorrente desse meio ponto, de tal sorte que se poderá dizer “Vejam que absurdo se fez! Olhem o que custa a interferência política no Banco Central!” Não virá — não, ao menos por causa dessa redução. As expectativas vão se deteriorar a ponto de a população começar a sofrer os efeitos da suposta “interferência”? Não também! Esse discurso, no fim das contas, mobiliza quem? As massas da Febraban? Uma coisa é criticar inconsistências da política macroeconômica, e existem. Outra é criticar queda dos juros alegando a dita pressão…

Eu estou falando sobre política, entendem? Estou comentando a avaliação de dois políticos.  Sinceramente, não acho que os argumentos para manter a taxa fossem muito mais sólidos do que os argumentos — bem rarefeitos nas explicações do BC, diga-se — para baixá-la. A decisão “surpreendeu” porque, aí sim, a quase totalidade do mercado havia apostado na manutenção da taxa. Mas, que eu saiba, era uma aposta, certo?  Não houvesse a possibilidade de perder, o BC seria um cartório.

E encerro reiterando meu convite: a pauta do momento é saber quem ganhou, como e por quê.  Acho que dá samba.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)