Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

O DIA EM QUE COLLOR ACERTOU

Da Agência Senado. Volto em seguida:O senador Fernando Collor (PTB-AL) leu hoje um duro discurso contra o ingresso da Venezuela no Mercosul durante sessão da Comissão de Relações Exteriores. Collor disse que os princípios básicos de democracia não estariam sendo seguidos pela Venezuela.“Não se pode dissociar o país e sua liderança, como não se separam […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 17h43 - Publicado em 30 abr 2009, 20h00
Da Agência Senado. Volto em seguida:
O senador Fernando Collor (PTB-AL) leu hoje um duro discurso contra o ingresso da Venezuela no Mercosul durante sessão da Comissão de Relações Exteriores. Collor disse que os princípios básicos de democracia não estariam sendo seguidos pela Venezuela.
“Não se pode dissociar o país e sua liderança, como não se separam as funções de chefia de Estado e chefia de governo. Reitero que o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, luta por um projeto político próprio, que vai frontalmente contra o perfil de atuação externa do Brasil, que busca a paz, a integração e o não confronto”, disse Collor.
Para ele, o próprio Mercosul foi alvo de ataques do presidente venezuelano, que disse que o bloco econômico e a Comunidade Andina de Nações “nasceram dentro do neoliberalismo e constituem integração de elite, de empresas e de transnacionais”.
Segundo ele, a entrada da Venezuela no Mercosul poderia trazer “graves fissuras” ao bloco econômico pela “falta de comedimento de seu presidente”. Por isso, pediu cautela na análise da questão. “Não é hora de discutir tema tão delicado como o da aceitação de novo parceiro que, por seu procedimento, possa a vir debilitar o Mercosul e não a fortalecê-lo”, disse Colllor.

Defesa
Na opinião do ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, argumentos contrários à entrada da Venezuela no Mercosul baseados apenas no cenário político daquele país não podem prevalecer sobre os demais.
“A democracia é um processo em andamento, e nós não podemos perder isso de vista. Como exemplo, eu gostaria de lembrar que, à época da Assinatura do Tratado de Assunção, o Paraguai era uma democracia muito frágil, quadro que, no entanto, mudou de lá para cá.”
Amorim disse ainda que, apesar da democracia venezuelana ser muito questionada por autoridades e pela própria imprensa, aquele país promoveu 12 eleições, do ano de 1998 pra cá, todas consideradas livres pelos observadores internacionais que acompanharam os pleitos.

Comento
Não se pode jamais concordar com Fernando Collor? Ah, claro que se pode. Se ele sustentar que a Lei da Gravidade existe, direi: “Sim, a obviedade está de acordo com os fatos”. Se ele sustenta que a Venezuela não é uma democracia, terei de afirmar, como afirmo sobre a Lei da Gravidade: “Sim, a obviedade está de acordo com os fatos”.

A posição de Celso Amorim é pura delinqüência política. A questão não é debater se é pragmático ou não é ter a Venezuela no Mercosul. Há uma questão nem mesmo diz respeito àqueles valores abstratos de apreço à democracia. O tratado estabelece que só podem pertencer ao grupo países em que vige o regime democrático. Ponto final.

Argumentar que a Venezuela é uma democracia porque fez 12 eleições corresponde a endossar a tática chavista de recorrer à consulta popular para solapar o próprio regime democrático. Não gosto dos exemplos extremos porque eles, às vezes, turvam o entendimento. Mas, se Amorim faz de sua assertiva um princípio, cumpre observar: está chamando o nazismo e o fascismo de democracias.

Não existe democracia sem eleições, como sabe Cuba. Mas só eleições não fazem uma democracia, como sabe a Venezuela.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês