Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

STJ afasta Wilson Witzel do governo do Rio de Janeiro

Governador é investigado por suspeita de corrupção na área da saúde; PF cumpre mandados de busca e apreensão

Por Mariana Muniz, Robson Bonin Atualizado em 28 ago 2020, 10h08 - Publicado em 28 ago 2020, 06h32

O ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça, afastou o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), a pedido da Procuradoria-Geral da República. Ele é acusado de integrar um esquema de corrupção na saúde, que teria beneficiado a mulher dele, Helena, com desvios em contratos. O afastamento vale inicialmente por 180 dias.

A pedido da PGR, a Polícia Federal cumpre nesta sexta-feira mandados de busca e apreensão contra políticos, empresários e agentes públicos. A primeira-dama é um dos alvos das buscas. Os mandados estão sendo cumpridos, também, na residência do vice-governador, Claudio Castro.

Segundo os investigadores, a partir da eleição de Witzel foi estabelecida uma organização criminosa dividida em três grupos que disputavam o poder mediante o pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos. Liderados por empresários, esses grupos lotearam algumas das principais pastas estaduais – a exemplo da Secretaria de Saúde – para implementar esquemas que beneficiassem suas empresas.

O Radar vinha mostrando ao longo das últimas semanas que a situação do governador do Rio não era fácil – e que seu pedido de afastamento estava no forno há algum tempo.  Além disso, havia a sinalização por parte dos investigadores de que não só a situação de Witzel era complicada, mas da linha sucessória do estado também. Claudio Castro e André Ceciliano estavam na mira.

ASSINE VEJA

A esperança dos novatos na bolsa Leia nesta edição: a multidão de calouros no mercado de ações, a ‘lista negra’ de Bolsonaro e as fraudes na pandemia
Clique e Assine

Um dos fatores decisivos para a operação que atinge Witzel e seu governo nesta sexta-feira foi a delação premiada do ex-secretário de Saúde Edmar Santos, cujo acordo com a PGR também foi revelado pelo Radar.

A  operação, batizada de Tris in Idem, é desdobramento da Operação Placebo, que investiga corrupção em contratos públicos do Executivo fluminense. O nome da operação é uma referência ao fato de se tratar do terceiro governador do estado que se utiliza de esquemas ilícitos semelhantes para obter vantagens indevidas.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)