Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Projeto quer – finalmente – cobrar imposto de donos de jatinhos e iates

Luciano Huck defendeu ideia no início do ano em resposta a Ciro Gomes

Por Manoel Schlindwein Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 17 fev 2021, 18h30

A proposta de taxar fortunas é pra lá de espinhosa, com fortes argumentos de quem é a favor ou contra esta que é vista como uma das formas de diminuir a desigualdade social no país. Um caminho viável parece ser fatiar a questão, debatendo ponto a ponto separadamente, como os impostos sobre as heranças ou os bens de alto valor, caso de embarcações e aeronaves de luxo.

Foi o que propôs o deputado Severino Pessoa (Republicanos/AL), ao apresentar no início do mês o projeto de lei complementar 11/2021, que prevê a cobrança anual de imposto de 1% do valor de “brinquedos” como jatinhos e iates.

O parlamentar argumenta que, assim, propõe-se uma “solução para essa enorme distorção na tributação da propriedade no país, onde proprietários de carros populares pagam anualmente o IPVA e donos de jatinhos e iates são desonerados”. Na proposta, ficariam isentas as embarcações usadas para pesca artesanal e pesquisa científica.

Em janeiro, os presidenciáveis Luciano Huck e Ciro Gomes trocaram figurinhas sobre o tema pelas redes sociais. Ciro disparou: “Imposto sobre heranças. EUA cobram 40%, o Brasil cobra 4%. Um trabalhador de aplicativo paga IPVA da moto, enquanto Luciano Huck e João Dória, que compraram jatinho subsidiado com dinheiro público, não pagam IPVA do jatinho. Tbm não é cobrado de helicóptero e lancha”.

Continua após a publicidade

Huck devolveu: “Boa, Ciro. Concordo contigo. Sou a favor de uma maior tributação sobre herança. Tb defendo um imposto tipo IPVA sobre aeronaves e barcos. Seria o primeiro a pagar. É o justo. Mas creio que dá pra fazer tudo isso de forma construtiva. Resgatando a serenidade e a confiança no país”.

A matéria, no entanto, não é nova. Ela já apareceu nas discussões sobre a reforma tributária, por meio de várias emendas às PECs 45 e 110 e, em 2013, na PEC 283. Nada, por enquanto, saiu do papel.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.