Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Os nove senadores de dois partidos que votaram contra PEC sobre drogas

Votos vencidos foram de parlamentares do PT e do MDB

Por Gustavo Maia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 12h16 - Publicado em 17 abr 2024, 13h18

Apenas nove senadores votaram, nesta terça-feira, 16, contra a PEC que torna crime a posse ou porte de qualquer quantidade de droga ou entorpecente “sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar”, aprovada em dois turnos pelo Senado, com 53 e 52 votos, respectivamente. Para ser aprovado, o texto precisava do apoio de, no mínimo, 49 senadores.

Os votos vencidos foram de parlamentares de dois partidos, o PT (que fechou questão contra a proposta) e o MDB (que liberou a bancada). Foram eles:

  • Beto Faro (PT-PA)
  • Confúcio Moura (MDB-RO)
  • Fernando Farias (MDB-AL)
  • Humberto Costa (PT-PE)
  • Janaína Farias (PT-CE)
  • Jaques Wagner (PT-BA)
  • Paulo Paim (PT-RS)
  • Renan Calheiros (MDB-AL)
  • Rogério Carvalho (PT-SE)

Durante a sessão desta terça, o senador Jaques Wagner, líder do governo Lula na Casa, questionou se a PEC que foi votada “para defender a prerrogativa” do Congresso terá eficácia e eficiência para o objetivo de todos nós. “Seguramente não será entupindo as cadeias do Brasil que nós vamos resolver”, declarou.

Renan Calheiros, por sua vez, disse entender que o papel do legislador é “buscar permanentemente critérios, indicativos, parâmetros para separar o traficante do dependente químico, do usuário”. “E entendo também que criminalizar o dependente químico, em vez de tratá-lo com uma política pública consistente, não é a solução”, declarou.

Continua após a publicidade

Ex-ministro da Saúde, o senador Humberto Costa afirmou que a PEC procura criminalizar integralmente a posse de entorpecentes independentemente da sua quantidade “como uma resposta ao STF” e é “um atestado de que nós falhamos, de que essa política punitivista e repressiva é ineficaz e produz impactos devastadores”.

“Por isso, nós precisamos avançar para buscar aquilo que é o adequado, o correto: é nós entendermos que a questão das drogas é um problema de saúde pública em primeiro lugar e é um problema da repressão na outra ponta, quando nós tratamos da oferta. Esta PEC aqui não trata nem de uma coisa nem de outra; ela trata de criar as condições para que as cadeias no Brasil estejam ainda mais superlotadas e para que os pobres continuem a ter a sua saga de serem os únicos atingidos pelo sistema penal”, comentou.

Para Rogério Carvalho, a PEC transfere para terceiros, para um agente público, a decisão sobre se uma pessoa é traficante ou é dependente químico, o que gera injustiça e “um sistema que vai colocar muita gente inocente e sem necessidade na prisão”. Já na opinião de Beto Faro, esse não é um tema para que o Legislativo reaja ao Supremo e todo o debate feito no Senado mostra “claramente” que essa PEC não vai resolver o problema.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.