Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Heleno diz que não alimentou ‘desejo de golpe’ porque Bolsonaro não quis

General responde a questionamentos de deputados e senadores na CPMI do 8 de janeiro

Por Ramiro Brites Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO , Gustavo Maia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 13 Maio 2024, 20h56 - Publicado em 26 set 2023, 10h57

O General Augusto Heleno disse há pouco, em depoimento na CPMI do 8 de janeiro, que mesmo se tivesse desejado um golpe de Estado “no recôncavo da alma” não teria dado continuidade porque não teria sido estimulado por Jair Bolsonaro que quis “agir dentro das quatro linhas”. 

O ex-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, disse ainda que houve “uma supervalorização de papel de auxiliares” e desconsiderou a importância das mensagens de teor golpista trocadas pelo ex-ajudante de ordens Mauro Cid com outros militares. 

“Eles trocavam mensagens que não significavam absolutamente nada para o contexto dos chefes militares. Isso aí bobagem achar que uma conversa do ex-sargento Aílton com o tenente-coronel Mauro Cid vai arrastar uma multidão de generais pra dar um golpe”, disse Heleno aos parlamentares. 

“Isso aí é um claro desconhecimento de como funciona a hierarquia nas Forças Armadas”.

“A partir do momento que o presidente da República declarou com todas as letras que ia atuar dentro das quatro linhas, se eu tivesse lá no recôncavo da minha alma o desejo de participar de um golpe, eu já teria tirado o meu time”, acrescentou o ministro do GSI de Jair Bolsonaro

Continua após a publicidade

Ao chegar na comissão, Heleno foi recebido com aplausos de pé de parlamentares da oposição. A atitude gerou o repúdio da base governista. 

“Me sinto envergonhada, presidente”, disse a deputada Jandira Feghali se dirigindo ao presidente da mesa diretora da CPMI, Arthur Maia. 

Após a declaração inicial de Heleno, os parlamentares oposicionistas voltaram a aplaudir o general da reserva. Como mostrou o Radar, o ex-GSI ganhou o direito de permanecer em silêncio na CPMI por decisão do ministro Cristiano Zanin, do STF

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.