Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Radar

Por Gustavo Maia (interino) Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Como Anderson Torres tentou boicotar a campanha de Lula na eleição

Segundo uma ex-auxiliar do então ministro da Justiça, ele usou falsas evidências para exigir mais de 70% dos agentes federais na rua no 2º turno

Por Nicholas Shores Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 10 Maio 2024, 08h45 - Publicado em 6 out 2023, 07h01

Anotações encontradas pela CPMI do 8 de Janeiro no celular de Marília Alencar, ex-diretora de Inteligência de Anderson Torres no governo Bolsonaro, mostram que o então chefe da Justiça e seus auxiliares, guiados por conteúdos falsos de redes sociais, acreditavam que o PT estava comprando votos para Lula no Nordeste.

Segundo Marília, Torres dizia em reuniões estar recebendo “muitos vídeos” sobre “milhões de reais em compra de votos” rodando “Brasil afora”. Não à toa, a ex-diretora escreveu que a visão de uma “relação” do partido de Lula com compra de votos estava “arraigada” no ministério. A própria admitiu, em suas notas, no entanto, que era tudo “fake news”.

Bolsonarista, Torres, diz a ex-diretora, exigiu dos chefes da PF e da PRF que colocassem mais de 70% do efetivo na rua, no segundo turno, contra Lula. “No final dessa reunião ele disse algo usando o número 22 em tom de brincadeira”, registrou Marília.

O então ministro chegou a tratar das eleições com superintendentes estaduais das duas polícias sem a participação dos diretores-gerais.

Continua após a publicidade

Por ordem de Torres, Alencar mostrou ao então chefe da PF, Márcio Nunes de Oliveira, um boletim de inteligência com “indicativos de muita compra de votos no Nordeste”.

De acordo com as anotações, Oliveira não cumpriu a determinação de policiar mais locais onde Lula ganhara no 1º turno. Torres reclamou de “corpo mole” e prometeu substituí-lo “numa eventual vitória” de Bolsonaro nas eleições.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.