Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

A brincadeira de Lula ao anunciar Alckmin como ministro

Em novembro, o presidente eleito disse que seu vice não disputava vaga no ministério

Por Gustavo Maia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 23 dez 2022, 14h08 - Publicado em 22 dez 2022, 17h15

Ao anunciar Geraldo Alckmin como o futuro ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Lula classificou a indicação como “a grande surpresa desta quinta-feira”. O presidente eleito arrancou gargalhadas dos aliados ao revelar a motivação que o fez escolher o próprio vice para assumir uma pasta.

A nomeação surpreendeu, também, porque o próprio Lula havia praticamente descartado Alckmin no seu ministério há pouco mais de um mês, já depois da eleição.

No dia 10 de novembro, no mesmo local em que revelou a nova leva de ministros nesta quinta, no CCBB em Brasília, ele declarou que fez questão de colocar o companheiro de chapa como coordenador do gabinete de transição “para que ninguém pensasse que o coordenador vai ser ministro”.

“Ele não disputa vaga de ministro porque é o vice-presidente da República”, declarou Lula.

Continua após a publicidade

O petista explicou que inicialmente convidou o presidente da Fiesp, Josué Gomes, filho de José Alencar (que foi seu vice entre 2003 e 2010) e que o empresário não aceitou seu convite por causa da disputa com Paulo Skaf pelo comando da federação e porque “ele não terminou ainda de passar a empresa dele para os filhos, de fazer a sucessão”.

“E eu fiquei pensando, fiquei pensando, fiquei pensando e eu resolvi fazer uma mudança no ministério. Eu resolvi dar trabalho pro meu vice”, comentou.

Sorrindo, ele disse que Alckmin “todo santo dia” que o encontrava falava: “Presidente, me dê trabalho, presidente, me dê trabalho”.

Continua após a publicidade

“Aí eu fiquei pensando: ‘Se eu não der trabalho pra esse cara, ele vai me dar dor de cabeça'”, afirmou.

Em tempo: difícil não lembrar que o penúltimo vice-presidente, Michel Temer, articulou pelo impeachment da petista Dilma Rousseff.

“Então ele [Alckmin] vai ter muito trabalho, e eu tenho certeza que ele terá um imenso sucesso, porque esse é um ministério que, quando eu convidei pela primeira o [Luiz Fernando] Furlan, em 2003, eu falei para o Furlan que eu queria um mascate, um cara que viajasse, que vendesse o Brasil. Eu tenho certeza que o Alckmin, com a capacidade de articulação política, com o respeito que ele tem junto aos empresários brasileiros, eu tenho certeza que ele vai ser um extraordinário ministro da Indústria e Comércio deste país”, concluiu Lula.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.