Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Por Trás dos Números

Por Renato Meirelles
Renato Meirelles é pai da Helena, acredita que a Terra é redonda, está à frente do Instituto Locomotiva e, neste espaço, interpreta os números muito além da planilha Excel
Continua após publicidade

Casos de Daniel Alves e Robinho mostram necessidade de mudança no futebol

Exemplos revelam que a prática esportiva se tornou um terreno fértil para que o machismo seja exacerbado

Por Renato Meirelles Atualizado em 9 Maio 2024, 11h34 - Publicado em 6 mar 2024, 10h35

A recente condenação do jogador Daniel Alves por agressão sexual em Barcelona, Espanha, é um marco que evidencia a necessidade de mudanças na cultura do futebol. O caso lança luz sobre a persistente cultura machista que ainda permeia o esporte mais amado do Brasil e do mundo. Nesta semana, outro caso de violência contra a mulher envolvendo um jogador de futebol ganhou espaço na imprensa. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) anunciou que irá julgar o processo de Robinho no dia 20 de março. O ex-jogador foi condenado a nove anos de prisão na Itália.

O futebol, por muito tempo, tem sido um reflexo da sociedade, com suas virtudes e mazelas. No entanto, a idolatria cega aos jogadores e a complacência com comportamentos inadequados contribuem para perpetuar um ambiente onde a violência de gênero encontra terreno fértil. A condenação de uma figura pública como Daniel Alves é um sinal claro de que ninguém está acima da lei, mas também de que é hora de uma reflexão profunda sobre os valores que queremos associar ao futebol. A falta de punição para Robinho é um tapa na cara da sociedade.

É imperativo que o futebol se transforme em um espaço seguro e inclusivo, livre de violência e discriminação, mas temos que ter em mente que isso não é um problema presente apenas no universo futebolístico, e, sim, de toda a sociedade e de como construímos a masculinidade e a sociabilidade dos homens. E, infelizmente, o futebol se tornou um terreno fértil para que o machismo da sociedade seja exacerbado.

Mas voltando para o caso em questão, é necessário ir além da punição individual e promover uma mudança cultural abrangente. Os clubes, as federações e, especialmente, os jogadores, como ícones de influência, têm um papel fundamental nessa transformação. Eles devem ser exemplos de respeito, empatia e igualdade, dentro e fora dos campos.

Continua após a publicidade

As marcas patrocinadoras também desempenham um papel crucial nesta jornada. Elas têm o poder e a responsabilidade de incentivar práticas positivas nos clubes e times que apoiam. Ao vincular sua imagem a equipes e atletas comprometidos com a igualdade de gênero e o respeito mútuo, as marcas não apenas contribuem para a evolução do esporte, mas também se alinham às expectativas de uma sociedade cada vez mais consciente e exigente. Os consumidores, por sua vez, estão atentos e dispostos a cobrar posturas éticas das empresas que escolhem apoiar.

A implementação de programas de educação sobre igualdade de gênero nas categorias de base, a promoção de debates públicos sobre o tema e a aplicação de punições exemplares em casos de violência e assédio são medidas essenciais para construir um novo paradigma no futebol.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.